BNDES - Agência de Notícias

00:44 19 de October de 2019

Notas à imprensa

20:39 17/10/2019 | Por: Agência BNDES de Notícias

BNDES anuncia mudanças na Diretoria

Os conselhos de Administração do BNDES, da BNDESPar e da Finame promoveram mudanças na diretoria do Banco. Nesta quinta-feira, foi destituído o diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto, André Laloni. Segue acumulando interinamente o cargo o diretor de Privatizações, Leonardo Cabral. Nesta semana, também, tomou posse a diretora Financeira, Bianca Nasser.

Leia Mais

13:23 16/10/2019 | Por: Agência BNDES de Notícias

Nota BNDES: Rio

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem apoiado a cidade do Rio de Janeiro há mais de 15 anos, por meio de contratos de financiamentos com a Prefeitura. Os recursos do BNDES foram destinados a investimentos relevantes com benefícios a grande parte da população carioca, sendo a maior parte direcionada a obras de mobilidade urbana por toda a cidade.

Nos últimos anos, o Banco e sua equipe não mediram esforços, em parceria com o Tesouro Nacional, para reescalonar a dívida do município do Rio e mantiveram constantes tratativas para melhor equacioná-la. Assim, as conversas relativas à renegociação da dívida estavam bem avançadas e a contratação do reescalonamento estava prevista para ocorrer até dezembro de 2019, após todas as aprovações necessárias tanto no BNDES quanto no Tesouro Nacional.

Desde 2004, o BNDES desembolsou cerca de R$ 5,4 bilhões referentes a diversos contratos com a Prefeitura do Rio, com diferentes finalidades. Entre as iniciativas apoiadas estão:

a)Implantação do BRT Transcarioca;

b)Implantação do BRT Transolímpica e ligação com o BRT Transbrasil ;

c)Implantação do BRT Transoeste Lote 0 (Ligação da Estação de Metrô do Jardim Oceânico com o Terminal Alvorada) e do Terminal de Integração do Metrô com o BRT;

d)Duplicação do Elevado das Bandeiras (Elevado do Joá)

e)Extensão do Túnel Expresso Marcelo Alencar (Túnel do Porto)

f) Ampliação do Parque Madureira;

g)Implantação do programa Bairro Maravilha Olímpico (obras de melhorias da infraestrutura urbana em 47 bairros)

h) Ampliação do Terminal Alvorada;

i) Implantação do Terminal Marechal Fontenelle, na região de Deodoro;

j) Melhorias na infraestrutura de mobilidade urbana no entorno do Engenhão.

k) Modernização da administração tributária (sistemas de gestão de impostos, recadastramento imobiliário, georreferenciamento etc.);

l) Projeto de inclusão social e produtiva dos catadores de materiais recicláveis, por meio da ampliação do programa de coleta seletiva;

m) Ampliação do sistema de coleta de esgoto sanitário e implantação de unidade de tratamento no bairro de Vila Kennedy;

n) Projeto Décima Urbana: catalogação, higienização e acondicionamento dos 1.536 livros de registro (1808-1938);


o)Investimentos em projetos de saneamento em comunidades carentes do município.

No dia 16 de setembro deste ano, a Prefeitura não quitou as parcelas de contratos de financiamento com o BNDES. Ontem, dia 15 de outubro, outras parcelas deixaram de ser honradas pela Prefeitura.

Com isso, as prestações em aberto somam, atualmente, R$ 282 milhões, dos quais R$ 12 milhões são referentes a juros e mora pelo atraso. Os contratos possuem valores diversos e vencimentos em datas diferentes.

Em conformidade com seus normativos internos, e após a confirmação da Prefeitura de que não quitaria os débitos, o BNDES notificou, no dia 23 de setembro, as instituições financeiras responsáveis por operar as garantias dos financiamentos, com vistas à sua execução. Entre as garantias, estão o Fundo de Participação dos Municípios e as parcelas do ICMS e do IPVA que são repassadas pelo Estado do Rio ao município.

O BNDES acredita no seu propósito e continuará trabalhando para oferecer soluções financeiras que possibilitem aos governos municipais e estaduais investirem para melhorar as condições de vida da população.

O BNDES reitera que está disposto a negociar, quando os pagamentos forem retomados.

a)Implantação do BRT Transcarioca;

b)Implantação do BRT Transolímpica e ligação com o BRT Transbrasil ;

c)Implantação do BRT Transoeste Lote 0 (Ligação da Estação de Metrô do Jardim Oceânico com o Terminal Alvorada) e do Terminal de Integração do Metrô com o BRT;

d)Duplicação do Elevado das Bandeiras (Elevado do Joá)

e)Extensão do Túnel Expresso Marcelo Alencar (Túnel do Porto)

f) Ampliação do Parque Madureira;

g)Implantação do programa Bairro Maravilha Olímpico (obras de melhorias da infraestrutura urbana em 47 bairros)

h) Ampliação do Terminal Alvorada;

i) Implantação do Terminal Marechal Fontenelle, na região de Deodoro;

j) Melhorias na infraestrutura de mobilidade urbana no entorno do Engenhão.

k) Modernização da administração tributária (sistemas de gestão de impostos, recadastramento imobiliário, georreferenciamento etc.);

l) Projeto de inclusão social e produtiva dos catadores de materiais recicláveis, por meio da ampliação do programa de coleta seletiva;

m) Ampliação do sistema de coleta de esgoto sanitário e implantação de unidade de tratamento no bairro de Vila Kennedy;

n) Projeto Décima Urbana: catalogação, higienização e acondicionamento dos 1.536 livros de registro (1808-1938);


o)Investimentos em projetos de saneamento em comunidades carentes do município.

No dia 16 de setembro deste ano, a Prefeitura não quitou as parcelas de contratos de financiamento com o BNDES. Ontem, dia 15 de outubro, outras parcelas deixaram de ser honradas pela Prefeitura.

Com isso, as prestações em aberto somam, atualmente, R$ 282 milhões, dos quais R$ 12 milhões são referentes a juros e mora pelo atraso. Os contratos possuem valores diversos e vencimentos em datas diferentes.

Em conformidade com seus normativos internos, e após a confirmação da Prefeitura de que não quitaria os débitos, o BNDES notificou, no dia 23 de setembro, as instituições financeiras responsáveis por operar as garantias dos financiamentos, com vistas à sua execução. Entre as garantias, estão o Fundo de Participação dos Municípios e as parcelas do ICMS e do IPVA que são repassadas pelo Estado do Rio ao município.

O BNDES acredita no seu propósito e continuará trabalhando para oferecer soluções financeiras que possibilitem aos governos municipais e estaduais investirem para melhorar as condições de vida da população.

O BNDES reitera que está disposto a negociar, quando os pagamentos forem retomados.

Leia Mais

08:32 30/09/2019 | Por: Agencia BNDES de Noticias

Nota sobre operações envolvendo o grupo Odebrecht

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) dá continuidade ao seu propósito de se tornar mais aberto e transparente.

A nota divulgada no dia 15 de setembro de 2019, com esclarecimentos sobre o financiamento do Sistema BNDES à exportação de serviços de empresas brasileiras, demonstrou que o grupo Odebrecht respondeu por 76% do total de desembolsos naquele modelo de operação. Disso suscitou a necessidade de explicação clara sobre as demais modalidades de apoio financeiro àquele grupo>

Desta vez, busca-se apresentar um panorama transparente e didático sobre a atuação do banco junto à Odebrecht no período entre 2003 e 2018. Estão aqui indicados os números de cada modelo de apoio financeiro e as perdas potenciais com empresas do grupo, algumas das quais em recuperação judicial.

As modalidades de apoio financeiro do BNDES ao Grupo Odebrecht foram oferta de crédito (direto e indireto), financiamento especifico a exportação    e aquisição de participações acionárias.  

No total, o BNDES desembolsou a empresas do grupo Odebrecht R$ 32,9 bilhões em valores históricos, ou R$ 51,3 bilhões em valores atualizados pelo IPCA até setembro (vide apresentação anexa). 

Do total de desembolsos, o valor histórico inclui R$ 15,3 bilhões em crédito, dos quais R$ 11,7 bilhões referem-se a financiamentos diretos, em que existe risco potencial de perdas para o BNDES, e R$ 3,6 bilhões em crédito indireto, no qual as possíveis perdas são dos agentes financeiros intermediários. 

Ainda dentro desse valor histórico, a quantia de R$ 16,1 bilhões relaciona-se aos financiamentos à exportação de serviços, já expostos em nota e apresentação divulgadas anteriormente. O restante de R$ 1,5 bilhão se refere à compra de participações nas empresas Atvos e OTP. As ações de emissão da primeira já foram vendidas pelo BNDES e, as da segunda empresa citada, não. 

O valor total de perdas já incorridas ou potenciais para o BNDES ou a União é, em valores convertidos e atualizados, de R$ 14,6 bilhões.  

Desse total, o valor de R$ 3,7 bilhões (US$ 900 milhões convertidos pelo câmbio de 25/9/2019) relaciona-se a perdas da União em créditos  no financiamento à exportação. Isto porque, o FGE (Fundo Garantidor de Exportações) indeniza o BNDES por todos os inadimplementos promovidos pelos países importadores. 

Da quantia restante de R$ 10,9 bilhões, o valor de R$ 8,7 bilhões em perda potencial (máxima), atualizado até maio, corresponde ao valor de exposição total do BNDES em créditos perante as empresas em recuperação judicial do grupo Odebrecht. Com a venda pelo Sistema BNDES de ações da Atvos, em valores atualizados, a perda efetiva é de R$ 800 milhões e, com a OTP, a perda potencial das ações ainda em carteira é de R$ 1,4 bilhão. 

Os valores referentes às perdas potenciais relacionadas às empresas em recuperação judicial encontram-se, de forma conservadora e seguindo as melhores práticas contábeis, totalmente baixados nas demonstrações financeiras do Sistema BNDES.

O custo para o Estado brasileiro em operações de crédito com o grupo Odebrecht foi, em valor atualizado, de R$ 646,7 milhões no período entre 2003 e 2018. Esse valor resulta da diferença do juro cobrado do grupo pelo BNDES e a taxa básica Selic no momento dos desembolsos.

Uma apresentação gráfica com esses dados pode ser encontrada aqui:

https://www.bndes.gov.br/arquivos/apresentacao-odebrecht.pdf



 

 

 

Leia Mais

09:02 15/09/2019 | Por: Assessoria de Imprensa do BNDES

Nota sobre financiamento à exportação de serviços

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) traz a público hoje (15/9) informações sobre operações de financiamento à exportação de serviços, tema que vem ganhando repercussão em publicações. Esta divulgação vem esclarecer fatos e está em linha com o conjunto de ações em curso adotadas pelo BNDES para se tomar cada vez mais transparente perante a sociedade brasileira.

Leia Mais

19:23 29/08/2019 | Por: Agência BNDES de Notícias

Estruturada pelo BNDES, 1ª PPP de iluminação pública deve gerar R$ 260 milhões em investimento em Porto Alegre

Leia Mais

19:59 19/08/2019

Nota da direção do BNDES: Financiamento de aeronaves pelo PSI

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou nesta segunda-feira, 19, uma lista consolidada de todas as aeronaves financiadas pelo Banco no âmbito do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que contou com equalização de taxa juros pelo Tesouro Nacional.

Leia Mais

19:17 24/07/2019 | Por: Agência BNDES de Notícias

Respostas enviadas pelo BNDES à reportagem da Agência Pública sobre financiamento à Taurus

A Agência Pública publicou nesta quarta-feira, 24, reportagem "Apesar de Proibido, BNDES emprestou mais de R$ 60 milhões à Taurus". Ao contrário do que afirma a manchete, as operações realizadas com a empresa não são proibidas.

Confira abaixo as perguntas enviadas pelo veículo e as respectivas respostas do BNDES:

Pergunta 1: Segundo as regras de financiamento do banco https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/guia/o-que-pode-ser-financiado, o BNDES não financia empresas do setor do comércio de armas. Contudo, o Banco já realizou empréstimos, inclusive diretos, à empresa Taurus Armas, em 2013. Esse financiamento não viola as políticas do banco? Por que o BNDES financiou uma empresa que trabalha exclusivamente com a produção de armas?

Resposta do BNDES: Não há violação da política já que a atividade econômica da Taurus S.A. é classificada, segundo o cadastro nacional de atividades econômicas (CNAE) do IBGE, como “fabricação de armas de fogo, outras armas e munições”, categoria pertencente à indústria de transformação. A restrição se refere especificamente ao comércio de armas, atividade inscrita em outra categoria no CNAE.

Pergunta 2: Já houve casos de financiamentos que foram cancelados por se tratar do setor de comércio de armas?

Resposta do BNDES: Não houve operações justamente por conta de restrição das políticas operacionais do BNDES à atividade de comércio de armas.

Pergunta 3: O BNDES lançou alguma linha de crédito específica para projetos de defesa? Há anúncios de 2017 que ela seria criada. Se existir, gostaria de saber quanto já foi financiado e quais empresas foram beneficiadas?

Resposta do BNDES: A linha anunciada em 2017 não chegou a ser criada. No entanto, o segmento pode ser financiado por meio de produtos como o BNDES Finem, BNDES Finame ou BNDES Automático, observadas as restrições e condições das políticas operacionais.

A Agência Pública publicou nesta quarta-feira, 23, reportagem "Apesar de Proibido, BNDES emprestou mais de R$ 60 milhões à Taurus". Ao contrário do que afirma a manchete, as operações realizadas com a empresa não são proibidas.

Confira abaixo as perguntas enviadas pelo veículo e as respectivas respostas do BNDES:

Pergunta 1: Segundo as regras de financiamento do banco https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/guia/o-que-pode-ser-financiado, o BNDES não financia empresas do setor do comércio de armas. Contudo, o Banco já realizou empréstimos, inclusive diretos, à empresa Taurus Armas, em 2013. Esse financiamento não viola as políticas do banco? Por que o BNDES financiou uma empresa que trabalha exclusivamente com a produção de armas?

Resposta do BNDES: Não há violação da política já que a atividade econômica da Taurus S.A. é classificada, segundo o cadastro nacional de atividades econômicas (CNAE) do IBGE, como “fabricação de armas de fogo, outras armas e munições”, categoria pertencente à indústria de transformação. A restrição se refere especificamente ao comércio de armas, atividade inscrita em outra categoria no CNAE.

Pergunta 2: Já houve casos de financiamentos que foram cancelados por se tratar do setor de comércio de armas?

Resposta do BNDES: Não houve operações justamente por conta de restrição das políticas operacionais do BNDES à atividade de comércio de armas.

Pergunta 3: O BNDES lançou alguma linha de crédito específica para projetos de defesa? Há anúncios de 2017 que ela seria criada. Se existir, gostaria de saber quanto já foi financiado e quais empresas foram beneficiadas?

Resposta do BNDES: A linha anunciada em 2017 não chegou a ser criada. No entanto, o segmento pode ser financiado por meio de produtos como o BNDES Finem, BNDES Finame ou BNDES Automático, observadas as restrições e condições das políticas operacionais.

Leia Mais

17:35 03/07/2019

Nota do BNDES: novo presidente

O Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), dentro de suas atribuições, elegeu, em reunião extraordinária realizada nesta quarta-feira, 3, o engenheiro Gustavo Henrique Moreira Montezano novo presidente da instituição. Ainda não há data para posse.

Leia Mais

1 de 4 páginas