Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

06:38 18 de May de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:19:22 14/05/2024 |AGRICULTURA |NORDESTE

Ultima atualização: 15:35 15/05/2024

Assessoria de Comunicação - SDA - CE

Parceria de R$ 1,8 bi entre BNDES e fundo da ONU, Sertão Vivo aprova 1ª operação: R$ 252 mi ao Ceará

  • Recursos beneficiarão 63 mil famílias de pequenos agricultores do estado, em 72 municípios com vulnerabilidade social, climática, hídrica ou alimentar

  • Com 9 operações previstas para todo o Nordeste, iniciativa deve contemplar quase 500 mil famílias (cerca de 2 milhões de pessoas)

 

A iniciativa “Sertão Vivo”, parceria de R$ 1,8 bilhão entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) da Organização das Nações Unidas (ONU) para projetos no semiárido nordestino, aprovou sua primeira operação: R$ 251,6 milhões para o Ceará. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 15, no Palácio da Abolição, em Fortaleza, pelo presidente do Banco, Aloizio Mercadante, pela diretora Socioambiental, Tereza Campello, e pelo Governador do Estado, Elmano de Freitas.

 

Vitor GriloFoto de Vitor Grilo. À esquerda, o governador do Ceará, Elamano de Freitas; à direita, o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante

 

Os recursos serão utilizados pelo governo estadual em ações para implantar Sistemas Produtivos Resilientes ao Clima e melhorar o acesso à água para a produção rural em 72 municípios com alta vulnerabilidade social, climática, hídrica ou alimentar. A estimativa é de que 63 mil famílias de agricultores familiares (cerca de 250 mil pessoas) dessas localidades sejam beneficiadas.

Lançado em julho de 2023, com edital para destinar R$ 1 bilhão para quatro estados do Nordeste, o Sertão Vivo foi ampliado pelo BNDES de modo a contemplar todas as unidades federativas da região, chegando a R$ 1,8 bi. O apoio ao Estado será composto de uma parcela de recursos reembolsáveis e outra não reembolsável..

“Com essa suplementação no valor previsto inicialmente, o BNDES reafirma o compromisso com o enfretamento da crise climática, que tem gerado tragédias cada vez maiores e frequentes.  Essa novo montante vai permitir que os benefícios da iniciativa cheguem a todos os estados da região Nordeste, contemplando a preservação dos mais diversos biomas”, explicou o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante.

No Ceará, do total aprovado pela iniciativa Sertão Vivo, R$ 212 milhões são em forma de financiamento, a ser honrado pelo estado com garantia da União, e os R$ 39,6 milhões restantes são não reembolsáveis. Os beneficiários finais da iniciativa, que são os agricultores familiares, recebem o apoio integralmente de forma não reembolsável.

Os recursos permitirão implantar sistemas de produção resilientes a mudanças climáticas - como quintais produtivos e sistemas agroflorestais com espécies nativas da caatinga, adaptadas ao semiárido - e construir reservatórios de água para uso na lavoura, como cisternas-calçadão, barreiros trincheira e barragens subterrâneas.

Foto1_divulgação_SDA_CEFoto: Assessoria de Comunicação - SDA - CE


As ações estão alinhadas às diretrizes do Plano Plurianual (PPA) 2024-2027 do estado e ao seu planejamento de longo prazo (Ceará 2050), que, em seus eixos e programas, enfatizam a redução da pobreza rural, o acesso à água, a elevação do padrão de vida dos agricultores familiares, a inclusão socioeconômica e a sustentabilidade ambiental.

"A agricultura familiar é essencial para mudar essa realidade, pois produz a maior parte dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros e emprega três quartos da força de trabalho agrícola. É fundamental que apoiemos os agricultores familiares a se adaptarem às mudanças climáticas, desempenhando um papel fundamental na redução da fome e da pobreza no país", disse Rossana Polastri, diretora regional do FIDA para a América Latina e o Caribe.

Captação inédita - Do funding que compõe a iniciativa, US$ 129,5 milhões (aproximadamente R$ 650 milhões) provêm de captação realizada pelo BNDES junto ao FIDA, que opera com recursos próprios e do Green Climate Fund (GCF), braço da ONU para financiamento, a custos incentivados, de projetos que contribuam para as metas do Acordo de Paris.

“Esta é uma captação inédita no mundo, de um banco de desenvolvimento junto ao FIDA, e foi possível graças à exitosa experiência brasileira de enfrentamento à pobreza rural e combate à fome”, ressaltou a diretora Socioambiental do BNDES, Tereza Campello. A estimativa é de que o Sertão Vivo beneficie no total, com as nove operações previstas, 500 mil famílias (cerca de 2 milhões de pessoas) em situação de vulnerabilidade social.

Apoio ao Estado - O Ceará é, historicamente, o estado com maior número de operações celebradas com o BNDES, em um relacionamento que remonta a 1979. Atualmente, 12 operações de crédito vigentes têm o estado do Ceará como cliente, com valor total de R$ 4,9 bilhões, em áreas como saneamento, infraestrutura portuária, creches e gestão pública. Entre elas, estão o porto de Pecém e o  metrô de Fortaleza.

Assista ao lançamento do Sertão Vivo: