BNDES - Agência de Notícias

Thu Aug 13 20:34:46 UTC 2020 Thu Aug 13 20:34:46 UTC 2020

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:12:48 06/11/2019 |INDÚSTRIA |SUL

Ultima atualização: 18:15 06/11/2019

Fotos: Divulgação BNDES e Facebook Klabin
Marcos Paulo Conde Ivo, diretor financeiro da Klabin; Cristiano Teixeira, CEO da empresa; Gustavo Montezano, presidente do BNDES; Armando Klabin, presidente do Conselho de Administração da Klabin; e Flávio Moraes da Mota, chefe do Departamento da Indústria de Base e Extrativa do banco de fomento

● Banco será cofinanciador do projeto de ampliação da capacidade produtiva da unidade fabril de Ortigueira. Investimentos totais somam R$ 9,1 bilhões

● Projeto prevê a criação de até 11 mil empregos durante sua execução e de 1,5 mil novos postos de trabalho após sua conclusão

● Recursos vão permitir a produção de até 920 mil toneladas/ano de papel para embalagens por processo inédito e destinadas à exportação

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar a construção de uma nova linha produtiva da Klabin S/A, na unidade de Ortigueira, Centro-Leste do Paraná. O contrato de financiamento, no valor de R$ 3 bilhões, foi assinado nesta quarta-feira, 6, no escritório de representação regional do banco de fomento em Brasília.

O crédito do BNDES faz parte do apoio aos investimentos no Projeto Puma II, dividido em duas fases, e que tem valor total estimado de R$ 9,1 bilhões. A expansão contará com recursos próprios da empresa e financiamento de bancos comerciais em consórcio e de organismos multilaterais, tais como o BID Invest – braço do setor privado do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – e o Banco Mundial, por meio da Corporação Financeira Internacional (IFC).

Projeto – A primeira etapa, financiada pelo BNDES, visa à construção de uma linha de produção de celulose não branqueada de eucalipto, integrada a uma máquina de papel com capacidade para produzir 450 mil toneladas por ano de papel para embalagens (papel kraftliner). Entre 2021 e 2023, uma segunda etapa prevê a construção de outra linha de fibras, complementar à primeira, integrada à construção de uma máquina de papel com capacidade para produzir 470 mil toneladas por ano de papel para embalagens.

A implantação da nova linha permitirá a fabricação de papel kraftliner a partir exclusivamente de fibra de eucalipto, o que é inédito em âmbito mundial. Entre as vantagens desse processo inovador, estão o melhor rendimento da madeira utilizada, menor consumo de vapor na produção, redução da gramatura e do peso final das embalagens de papelão ondulado fabricadas e menor área florestal necessária para o fornecimento de matéria-prima (já que as florestas de eucalipto têm um ciclo menor de crescimento do que as de pínus).

Essa primeira etapa do projeto prevê ainda a expansão do pátio de madeira e das estações de tratamento de água e efluentes, bem como investimentos na construção de um pátio de contêineres e na ampliação do modal ferroviário da unidade.

O papel kraftliner fabricado pela Klabin é exportado para mais de 60 países. Com os investimentos do projeto, a empresa espera gerar impacto positivo e direto sobre as exportações, bem como ampliar a capacidade produtiva do setor, uma vez que a maior parte do que será produzido é destinado ao mercado externo. Isto significa atrair divisas para o país, com efeito positivo para o saldo comercial.

 

BNDES financia com R$ 3 bilhões nova linha de produção da Klabin no Paraná

Planta industrial da Klabin em Ortigueira

 

Impacto social – A conclusão da primeira etapa do projeto está prevista para meados de 2021. Durante sua execução, estima-se que sejam criados cerca de 11 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos. Uma vez concluído, 1,5 mil empregos devem ser gerados (diretos e indiretos).

O projeto de expansão da Klabin prevê ainda investimentos sociais da ordem de R$ 15 milhões em educação, modernização e qualificação pública de municípios do entorno da nova fábrica. Em 2018, os programas desenvolvidos pela empresa nas comunidades onde está presente, com foco nas áreas de saúde, cultura, educação, esporte, lazer e meio ambiente, totalizaram R$ 26,7 milhões.