Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

18:44 23 de July de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:07 28/09/2023 |CULTURA |SUDESTE

Ultima atualização: 13:05 17/10/2023

Nelson Kon/Instituto Pedra

Museu de Mariana (MG) é inaugurado em sítio histórico com apoio do BNDES

O Museu de Mariana foi inaugurado nesta quinta-feira, 28, com a presença da ministra da Cultura, Margareth Menezes, e do assessor da presidência do BNDES para Cultura, ex-ministro Juca Ferreira. O museu foi instalado em duas edificações históricas da cidade: a Igreja de São Francisco de Assis e a Casa do Conde de Assumar. O projeto, viabilizado com apoio de R$ 14,2 milhões do Banco, permitiu também que a igreja, um dos monumentos mais visitados de Mariana, fechada desde 2013, fosse reaberta ao público nesta quinta.

“A preservação da memória e dos patrimônios materiais e imateriais valoriza esse país imenso que é o Brasil, com todas as suas possibilidades de pensamento e maneiras de vida. Um povo sem memória é um povo sem referência, por isso, parabenizo o BNDES por permitir concretizar essa ação”, disse a ministra da Cultura.

Interna_mARGE_CREDITO_bndes

Foto: Aline Ruas/Divulgação BNDES

A abertura das portas do museu representa o fim de um trabalho de quatro anos, que envolveu a restauração arquitetônica das duas construções – que se encontravam em risco de desabamento –, a concepção do projeto museográfico e a realização de atividades de educação patrimonial.

“O restauro está associado à ideia de um museu interativo, que vai se articular com a formação de quadros para continuar os processos de recuperação desse patrimônio e sua disponibilização para a população”, explicou Juca Ferreira.

iNTERNA JUCA

Foto: Aline Ruas/Divulgação BNDES

O Museu contribui, assim, para valorizar o conjunto arquitetônico e urbanístico da cidade, composto de exemplares do barroco e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1938. O novo equipamento cultural apresenta-se em percurso que passa pelos dois monumentos e termina na Praça Minas Gerais, marco do centro histórico.

A Igreja de São Francisco de Assis - construída entre 1762 e 1794 - preserva sistemas construtivos tradicionais do período colonial, além de elementos ornamentais de autoria de Aleijadinho e pinturas artísticas de Manuel da Costa Ataíde. Já a Casa do Conde de Assumar, de 1715, serviu de moradia ao então Governador da Capitania de Minas Gerais e São Paulo.

iNTERNA1

Foto: Aline Ruas/Divulgação BNDES

Luciane Gorgulho, chefe do Departamento de Desenvolvimento Urbano, Patrimônio e Turismo do BNDES, explicou que o projeto incluiu a implantação de uma iniciativa pioneira, a Escola de Ofícios de Mariana, "onde por meio de cursos de formação são capacitadas pessoas para que se possa gerar oportunidades de emprego e renda para a população local, capaz de recuperar esse rico patrimônio”.

BNDES, Mariana e patrimônio histórico - Primeira capital do estado de Minas Gerais e maior produtora de ouro para o Império Português durante o século 17, a cidade de Mariana ganhou nesta quinta-feira, 28, um novo equipamento cultural que pretende ajudar o município em seu esforço de estimular o turismo e diversificar a economia local, ainda fortemente associada à mineração e afetada pelo rompimento de barragem da Samarco em 2015. Além do museu inaugurado nesta quinta - apoiado pelo Banco por meio de contrato com o Instituto Pedra, em parceria com a Prefeitura e a Arquidiocese da cidade - o BNDES apoia outras duas iniciativas no município.

Uma delas, aprovada em 2021 no edital Resgatando a História, está em execução e vai destinar um total de R$ 3 milhões para recuperar um imóvel histórico na Rua Direita que funcionará como unidade complementar ao Museu de Mariana. O projeto prevê o uso do espaço para contar a história da cidade no século 20, com destaque para as atividades de mineração e sua relação com a região.

iNTERNA 2

Foto: Aline Ruas/Divulgação BNDES

O Banco também concedeu apoio de R$ 5,8 milhões ao programa Escola de Ofícios, voltado à capacitação de jovens em saberes e fazeres tradicionais da construção civil, considerados como patrimônio imaterial. A iniciativa foi iniciada em 2019 e se encerra este ano.

O BNDES contribui para a preservação de acervos, monumentos históricos e do patrimônio imaterial ligado às tradições da sociedade brasileira desde 1997, atuação que o credencia como um dos maiores apoiadores de projetos de valorização do patrimônio cultural brasileiro.