Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Thu Dec 02 10:12:04 UTC 2021 Thu Dec 02 10:12:04 UTC 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:31 08/11/2021 |INDÚSTRIA |INSTITUCIONAL |MEIO AMBIENTE

Ultima atualização: 20:47 08/11/2021

Walterson Sula/BNDES
Montezano e DI Si assinaram o protocolo em Brasília

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Volkswagen do Brasil assinaram Protocolo de Intenções com o objetivo de unir esforços que ajudem a disseminar a descarbonização de veículos automotores no Brasil. O Banco vê oportunidades de aprofundamento de diálogo e parcerias com as empresas do setor comprometidas com a inserção do País na estratégia global de descarbornização, como no caso da Volkswagen, que anunciou a implantação no País um Centro de Pesquisa & Desenvolvimento de tecnologias em biocombustíveis. Protocolos similares podem vir a ser firmados pelo BNDES, caso outras empresas do setor demonstrem interesse em realizar esforços nesta temática.

“O acordo vai proporcionar não só o benefício ambiental, mas, principalmente incentivar a pesquisa e o desenvolvimento de uma tecnologia nacional, tornando-nos aptos a exportar esse conhecimento no futuro. Teremos todo o subsídio técnico para avançarmos em nosso Centro de P&D em etanol e outros biocombustíveis. Além disso, o BNDES será um importante aliado para nos ajudar a construir uma agenda positiva com os órgãos governamentais”, disse o presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si, enfatizando que a parceria está alinhada à estratégia global Way To Zero da companhia, que mira a mobilidade neutra de carbono.

Di Si assinou o documento na terça-feira, 2, em Brasília, junto com o presidente do Banco, Gustavo Montezano. O Protocolo — que visa promover articulações, desenvolver parcerias, propor ações que contribuam para disseminar a adoção da bioeletrificação e disponibilizar instrumentos de apoio financeiro — tem como focos o aperfeiçoamento de políticas públicas, o apoio à inovação, o fortalecimento da cadeia produtiva local e a exportação e internacionalização.

“A descarbonização veicular, em especial pela bioeletrificação, faz parte da agenda ASG do BNDES, que foca na neutralidade climática do País. Essa parceria com a Volkswagen busca capturar oportunidades de desenvolvimento tecnológico local, fortalecimento e modernização da cadeia produtiva, geração de emprego qualificado e verde, bem como inserção global competitiva. Estamos dialogando com todos os atores dos setores automotivo, de biocombustíveis e de bens de capital em busca de agendas conjuntas para avançarmos no crescimento verde brasileiro”, explicou o diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do Banco, Bruno Aranha.

No Brasil, a discussão dos biocombustíveis no contexto da descarbonização tem ganhado força, dadas as tecnologias em etanol desenvolvidas ao longo dos anos, as oportunidades de desenvolvimento tecnológico, a minimização dos impactos para a cadeia produtiva e as limitações para ampliação da frota de veículos elétricos. Além disso, a expertise brasileira na produção e utilização do etanol, em conjunto com a ampla frota de veículos flex-fuel em circulação, coloca o País como um potencial centro de desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono, especialmente aquelas associadas a biocombustíveis, além de um mercado consolidado como produtor e comprador de veículos dessas tecnologias.

Para o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, a economia verde impulsiona mudanças estruturais na indústria automotiva, em linha com o movimento global de descarbonização: “Na mobilidade, diversas alternativas tecnológicas coexistirão, mas as rotas relacionadas à bioeletrificação, considerando a expertise do Brasil em biocombustíveis, promovem rápida e efetiva resposta a esse desafio, tendo o benefício de já contarmos com uma agricultura altamente competitiva e com infraestrutura de abastecimento por todo país”. Ainda segundo ele, os biocombustíveis representam uma oportunidade sustentável para a eletrificação automotiva e uma grande oportunidade para o Brasil na agenda de crescimento verde global.

Rota 2030 - Além de estar alinhado à missão institucional do BNDES — de fomentar o desenvolvimento econômico e social do País, inclusive por meio do financiamento à produção e inovação da indústria automotiva, contribuindo também para a elaboração de políticas públicas — e do Grupo Volkswagen, que pretende tornar-se neutro em carbono até 2050, o Protocolo converge com o Programa Rota 2030, parte da estratégia elaborada pelo Governo Federal para desenvolver o setor automotivo no País, com objetivos como o avanço da competitividade da indústria automotiva nacional, sua atualização tecnológica (especialmente em eficiência energética) e a manutenção de atividades de P&D e investimentos no país.

“A assinatura do acordo de cooperação entre o BNDES a Volkswagen oficializa o compromisso das duas instituições atuarem em prol dessa causa tão transformacional para o Brasil e o mundo. São parcerias como essas que aceleram nosso desenvolvimento através de proposito, inovação e impacto na vida das pessoas”, concluiu Montezano.