Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

16:50 23 de June de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:14:00 03/08/2023 |AGRICULTURA

Ultima atualização: 13:05 17/10/2023

Demanda do BNDES no primeiro mês do Plano Safra cresce 28% e atinge R$ 8,6 bi

  • Foram R$ 8 bi em operações dos Programas Agropecuários do Governo Federal (PAGF) e R$ 585,1 milhões do produto BNDES Crédito Rural

  • Cerca de 25% do total, R$ 2,1 bilhões, foi protocolado em linhas do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf)

  • Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) teve demanda de R$ 1,5 bilhão

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) recebeu em julho, mês de abertura do Ano Safra 2023/2024, 35,7 mil pedidos de financiamento, que somam, aproximadamente, R$ 8,6 bilhões. O valor representa um crescimento de 28% em relação ao primeiro mês da safra anterior, julho de 2022, quando foram protocolados R$ 6,7 bilhões, em 29 mil operações.

Desse total, aproximadamente R$ 8 bilhões correspondem a recursos equalizados dos Programas Agropecuários do Governo Federal (PAGF), dentre os quais destacam-se o Pronaf, o Pronamp e o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA). Outros R$ 585,1 milhões foram demandados ao produto BNDES Crédito Rural, que opera com recursos próprios do BNDES e teve crescimento de 250% em comparação a julho do ano passado.

O Pronaf foi o destaque nesses primeiros dias. Aberto em 12 de julho, o Programa alcançou a marca de R$ 2,1 bilhões em 26,9 mil operações. Isso representou crescimento de 21% em relação a julho de 2022. Do total protocolado, cerca de metade foi para investimento em instalações, máquinas e matrizes, sendo a outra metade para custeio.

A expectativa é ampliar os financiamentos ao longo da Safra, já que a dotação de recursos do Pronaf cresceu mais de 100% em relação ao plano safra anterior, alcançando um total de R$ 11,6 bilhões – dos quais R$ 1,2 bilhão é destinado exclusivamente para agricultores familiares das regiões Norte e Nordeste.

As solicitações de crédito por meio do Pronamp tiveram demanda de R$ 1,46 bilhão, em 5,3 mil operações. Isso representa um crescimento de 56% em relação a julho de 2022, quando foram protocolados R$ 936,7 milhões.

Em julho deste ano, a maior parte dos recursos foram no subprograma Pronamp Custeio (R$ 695,3 milhões), seguido do Moderfrota Pronamp (R$ 426,8 milhões) e do Pronamp Investimento (R$ 341 milhões).

Ainda no primeiro mês do Ano Safra 2023/2024, o terceiro maior volume de protocolos foi no PCA, com um pouco mais de R$ 1 bilhão em 109 operações. Isso representou um crescimento percentual de 1.164% em relação a julho de 2022, quando foram protocolados R$ 81,5 milhões.

Os recursos do PCA, que podem ser usados para ampliação, modernização, reforma e construção de armazéns, tiveram o seu orçamento elevado nesta safra para R$ 1,8 bilhão, aumento de 368% frente a safra anterior.

Outro programa que se destacou pelo volume de operações foi o RenovAgro, sucessor do programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC). Nos primeiros dias de protocolo, aberto dia 28 de julho, o programa fez R$ 909,4 milhões, em 332 operações.

O RenovAgro apoia investimentos que contribuam para a redução de impactos ambientais causados por atividades agropecuárias, como, por exemplo, a recuperação de pastagens degradadas.

Ampliação do acesso ao crédito - Neste plano safra, o BNDES disponibiliza o maior orçamento de sua história. São R$ 38,4 bilhões, um aumento de 53% em relação ao plano safra anterior, sendo R$ 26,4 bilhões em recursos com juros equalizados dos PAGF e mais R$ 12 bilhões de recursos do Banco.  

O apoio do BNDES para o setor agropecuário ocorre majoritariamente de forma indireta, em que a contratação e o repasse de recursos se dão por meio de uma das 79 instituições financeiras parceiras credenciadas, que contribui para a desconcentração bancária e ampliação do acesso ao crédito.