Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

18:03 23 de July de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:19:28 25/06/2024 |INFRAESTRUTURA |NORTE

Ultima atualização: 10:25 26/06/2024

Transdourada - Divulgação

Com R$ 160 milhões do BNDES, Transdourada investe em transporte hidroviário de grãos no Pará

  • Projeto multimodal melhora escoamento da produção, reduzindo o trecho rodoviário e evitando trechos com conflitos urbanos

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 128 milhões em recursos do programa Fundo Clima à Transdourada Navegação Ltda, de Ananindeua (PA), para investimentos em transporte hidroviário de grãos no Estado do Pará. Essa operação se soma a R$ 32 milhões da linha BNDES Finame, perfazendo os R$ 160 milhões a serem investidos no empreendimento, que tem foco no escoamento da produção agrícola da macrorregião de Paragominas.

Trata-se de um projeto logístico multimodal, composto por trânsito rodoviário, transbordo rodo-fluvial, trecho fluvial e elevação de carga ao navio, atendendo a exportação de granéis agrícolas e a importação de fertilizantes. Atualmente, o escoamento dos grãos na região é feito por cerca de 280 km em estrada de rodagem de pista simples, com travessias em balsa e trechos urbanos no trajeto até o porto de Vila do Conde.

Parte desse trecho será substituído pelo transporte hidroviário nos rios Capim e Guamá, realizado em comboios de seis balsas graneleiras e um empurrador. O sistema terá capacidade de transporte de 1,2 milhão de toneladas por ano, mais que o dobro do volume transportado de grãos pela Transdourada no ano passado (cerca de 600 mil toneladas).

“O projeto possibilitará um aumento da capacidade do transporte de grãos com ganho de eficiência, propiciando a migração para um modal com menor custo atrelado ao volume transportado e com baixa emissão de gases do efeito estufa, em consonância com os objetivos do Fundo Clima”, afirmou a diretora de Infraestrutura, Transição Energética e Mudança Climática do BNDES, Luciana Costa.

Além das balsas graneleiras e do empurrador, a empresa financiou a aquisição de balsa-guindaste, sistema de fundeio, itens de transbordo rodo-fluvial, píer flutuante de carregamento, transportador de correia, elevador de canecas e tombadores rodoviários, entre outros equipamentos. O financiamento contempla ainda obras civis, serviços técnicos e capital de giro associado ao investimento. “Essa operação ilustra a capacidade do Fundo Clima também para potencializar o desenvolvimento de pequenos municípios, neste caso, no interior do Pará, como Paragominas e Santana do Capim”, explicou a gerente do Departamento de Transportes e Logistica do BNDES Irecê Kauss.

Durante a fase de obras, estima-se que sejam criados 75 postos de trabalho indiretos. Após a conclusão, está prevista a geração de 145 empregos diretos, ampliando o quadro da Transdourada para 640 funcionários, e 150 indiretos nos produtores da região.

“Trabalhamos com o compromisso de transformar a realidade econômica e social da Amazônia, sempre buscando a geração de valor, tecnologia, segurança, responsabilidade socioambiental e qualidade em nossos projetos”, afirmou Breno R. Dias, CEO da Transdourada Navegação, empresa do Grupo Gdias.

 

2deffef4-6c31-4197-b2be-40aab3e0fd4b_OriginalFoto: Transdourada - Divulgação