Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

17:49 23 de July de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:19:00 19/06/2024 |CULTURA |INDÚSTRIA

Ultima atualização: 15:54 20/06/2024

Agência Brasil

BNDES retoma apoio ao setor audiovisual com R$ 400 milhões em recursos do FSA

  • Nova linha de crédito do FSA tem como foco gargalos de produção e exibição, como infraestrutura, inovação, acessibilidade e fortalecimento empresarial
  • Elaborada em conjunto com Minc e Ancine, linha tem orçamento inicial de R$ 400 milhões

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) retoma o apoio à indústria audiovisual com o lançamento do Programa BNDES FSA Audiovisual, anunciado nesta quarta-feira, 19, em cerimônia com a presença do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no Rio de Janeiro (RJ). A nova linha de crédito, elaborada em conjunto com o Ministério da Cultura e com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), terá um orçamento inicial de R$ 400 milhões e se insere em um conjunto mais amplo de ações do Governo Federal para fomentar o desenvolvimento do setor audiovisual no país. Os recursos da linha são oriundos do Fundo Setorial do Audiovisual.

O objetivo do programa é induzir investimentos e potencializar o mercado de crédito para o setor audiovisual, com foco de atuação nos principais gargalos de produção e exibição, como infraestrutura audiovisual, inovação e acessibilidade, bem como no fortalecimento empresarial em todos os elos da cadeia.

“Com o programa, o BNDES retoma o apoio à indústria audiovisual, setor que voltou a ser tratado como fundamental para o país com o governo do presidente Lula. Vamos apoiar os planos de negócios das empresas, com ênfase no desenvolvimento, na produção, na retenção de propriedade intelectual e na distribuição de conteúdo”, explica o presidente da instituição, Aloizio Mercadante.

O programa do BNDES, que tem como público-alvo empresas de controle nacional, aprovará projetos com valor mínimo de R$ 10 milhões em custo financeiro básico a TR (taxa referencial), de empresas de todos os segmentos da cadeia do audiovisual. Além de propiciar o acesso direto ao BNDES, o programa também contempla flexibilidade de margem e garantias adaptados às características do setor. Projetos de menor porte poderão também ser apoiados por meio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

 

Foto Ricardo Stuckert  PR

Foto: Ricardo Stuckert / PR

 

Modalidades – Serão oferecidas três modalidades de crédito: Projetos de Infraestrutura (financiar a aquisição, implantação e expansão de ativos de infraestrutura das empresas); Projetos de Inovação e Acessibilidade (financiar investimentos em inovação ou acessibilidade); e Conteúdo e Comercialização (financiar planos de negócios para fortalecimento das empresas, com foco em desenvolvimento, produção, comercialização e internacionalização de conteúdos audiovisuais brasileiros, incluindo jogos eletrônicos, além de capacitação das empresas e profissionais).

Histórico de apoio – Entre 2006 e 2018, com o lançamento do Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura (Procult), foram investidos R$ 650 milhões. Desse total, 30% destinaram-se a produtoras e distribuidoras de conteúdo e 70% para infraestrutura audiovisual, majoritariamente, salas de cinema.

Foram mais de 80 filmes e séries apoiados, totalizando um investimento de R$ 196 milhões. No segmento de animação, o financiamento do BNDES permitiu a produção de 806 episódios, de 21 séries, além de dois longas-metragens.

O BNDES também financiou a implantação de 343 novas salas de cinema, o que corresponde a aproximadamente 80 mil assentos novos ou reformados. Os recursos também permitiram a digitalização de 1.065 salas do parque exibidor nacional. Esse apoio alcançou mais de 40 municípios diferentes, dos quais 80% localizados no interior do Brasil, contribuindo para a desconcentração regional e a democratização do acesso à cultura.




a11810e6-410d-41f7-821e-d6620c7afc4a_Agência BrasilFoto: Agência Brasil