Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

11:42 02 de Agosto de 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:18:55 14/07/2021 |INSTITUCIONAL

Ultima atualização: 19:33 14/07/2021

  • Concedido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, selo de Equidade, Gênero e Raça foi entregue pela 5ª vez ao Banco

 

  • Ministra Damares Alves e diretora de Pessoas e Cultura do BNDES, Ângela Lins, participaram da cerimônia nesta quarta, 14, em Brasília

 

  • Plano de Ação do Banco para o triênio 2021-2023 inclui monitoramento de dados de equidade e diversidade

 

A diretora da Área de Gestão de Pessoas e Cultura Organizacional (APEC), Ângela Lins, recebeu, em nome do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), nesta quarta-feira, 14, o Selo de Equidade Gênero e Raça, das mãos da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Pela quinta vez, o Banco é contemplado com o selo. Esta é a sexta edição do prêmio, do qual participaram 122 empresas, 64 delas escolhidas para receber o selo. A cerimônia ocorreu em Brasília, na sede do MMFDH.

Para se candidatar, as empresas devem explicar o perfil da instituição e as ações de equidade de gênero e raça que pretendem executar. Entre outras práticas, a empresa deve difundir novas concepções na gestão de pessoas e na cultura organizacional, combater as dinâmicas de discriminação e desigualdade de gênero e raça praticadas no ambiente de trabalho, assim como promover a igualdade de gênero e raça no que diz respeito às relações formais de trabalho e à ocupação de cargos de direção.

O Sistema BNDES adota uma política corporativa permanente de equidade de gênero e de valorização da diversidade, pois, como banco de desenvolvimento nacional, tem papel estratégico para implementar essa agenda no Brasil. A primeira política nesse sentido data de 2015, posteriormente modificada em agosto de 2020.  O plano inclui ações externas e internas.

Segundo a diretora Ângela Lins, o BNDES obteve avanços importantes no tratamento dos desafios relacionados à diversidade e inclusão ao longo de sua história. “Esse importante histórico resultou, por exemplo, na obtenção do Selo Pró Equidade, premiação por práticas de excelência, ao longo de anos consecutivos. Nos sentimos honrados por fortalecer esse compromisso permanente em eliminar as formas de desigualdade e discriminação, no nosso ambiente de trabalho e em nossa cadeia de relacionamento”.

Acompanhamento - No âmbito interno, o Banco realiza monitoramento para acompanhar indicadores relativos a diversidade e inclusão, treinamento e sensibilização do corpo funcional nessas questões, além de um programa de voluntariado corporativo como indutor de comportamentos favoráveis à sustentabilidade, diversidade e inclusão.

Quanto às ações externas, o BNDES incluiu a temática do gênero como critério para a classificação em chamadas públicas do Fundo Amazônia e nos resultados desses projetos. No edital do BNDES Cinema de 2018, por exemplo, foi previsto o apoio a, no mínimo, um projeto cinematográfico dirigido por mulher cisgênero, transgênero/travesti, pessoa negra (preta ou parda seguindo classificação do IBGE) ou indígena. O Programa Nacional de Agricultura Familiar recebe apoio através do PRONAF Mulher, sem esquecer da adoção da Cláusula Social nos contratos das operações, em que são explicitados o combate à discriminação, ao trabalho infantil e ao trabalho escravo no Brasil.

“Por estar estritamente conectada com as diretrizes ASG, essa agenda assume especial importância no contexto atual”, explica Ângela Lins. “Em um mundo no qual as práticas socialmente responsáveis, alinhadas com os direitos humanos, são consideradas centrais para a sustentabilidade de empresas, a temática passa a ocupar importantes pautas na decisão de investidores e financiadores.”

 

Interna_ABN_Equidade

 

Atualização da Política – Recentemente, o Banco atualizou sua Política de Equidade e Valorização da Diversidade para se adequar às novas tendências e ao novo ciclo das ações ligadas à Política de Responsabilidade Socioambiental, aprovando um plano de ação a ser implementado no triênio 2021-2023. Ele inclui o monitoramento dos dados e indicadores de equidade e diversidade, que também será adotado na evolução cultural.

Além disso, iniciativas como a criação do programa de voluntariado corporativo terão, entre seus objetivos, o fortalecimento do comportamento socialmente responsável e inclusivo, disse a diretora. “Agradecemos o prêmio por ser a oportunidade de atuarmos de forma coerente com a missão e os valores do BNDES e com o nosso papel estratégico, impulsionando avanços nessa temática”, concluiu a diretora do BNDES, durante a cerimônia.