Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

17:16 23 de July de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:52 15/03/2024 |MERCADO DE CAPITAIS

Ultima atualização: 17:57 15/03/2024

BNDES ganha prêmio internacional por coordenação em ofertas de debêntures

  • Banco concorreu ao prêmio do IJ Global com grandes participantes do setor, como bancos comerciais brasileiros e do exterior. Nos últimos três anos, o prêmio foi levado pelo banco americano Goldman Sachs.

  • BNDES coordenou aproximadamente 18 bilhões de reais, com 70% dos títulos estruturados no ano tendo sido certificados como sustentáveis.

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi premiado como o melhor Coordenador de Ofertas de Debêntures do ano de 2023 (“Bond Arranger of the Year”) na América Latina. A premiação é do Project Finance and Infrastructure Journal (IJ Global), publicação que premia anualmente as instituições e os projetos de infraestrutura e energia mais inovadores e impactantes na região. 

Além do reconhecimento como principal coordenador, o BNDES atuou como financiador de dois projetos também laureados na premiação: a estrutura de financiamento da Águas do Rio, reconhecida como a operação de Saneamento do ano (“Water Deal of the Year - Distribution - Latin America”), e a estrutura de financiamento da ViaMobilidade Linhas 8 e 9 do Trem Metropolitano de São Paulo, reconhecida como a operação de Transporte do ano (“Transport Deal of the Year - Transit - Latin America”).

A premiação “Bond Arranger of the Year” é um resultado inédito para o Banco, em atividade que exerce há apenas três anos. Para o IJ Global, o impacto da atuação do BNDES superou a de bancos comerciais brasileiros e do exterior.

O reconhecimento do BNDES foi obtido pela sua atuação em 2023 como coordenador em uma série de ofertas de debêntures de infraestrutura com complexidades que incluíram o uso de operações de financiamento apenas com garantias de projeto (“non recourse”), a emissão de títulos de longo prazo, certificação sustentável e a combinação de estruturas de financiamento diferenciadas. Isso num cenário desafiador no mercado de capitais de dívidas. Os projetos apoiados pelo banco em 2023 incluíram saneamento no Rio de Janeiro e no Amapá, rodovias, expansão de uma nova rede de aeroportos nas regiões Sul e central do Brasil, além de melhorias na rede ferroviária do país.

O BNDES coordenou aproximadamente 18 bilhões de reais, com 70% dos títulos estruturados no ano tendo sido certificados como sustentáveis. A maior parte dos títulos foi emitida sob financiamento Project Finance non recourse. “Conseguimos impulsionar projetos sem depender de garantias corporativas ou bancárias, em um ano desafiador para o mercado de renda fixa do Brasil. O BNDES mostrou mais uma vez sua excelência e expertise singular para desenvolvimento que o país tanto precisa”, disse a diretora de Infraestrutura e Mudança Climática do BNDES, Luciana Costa.

Prêmios por operação – No prêmio “Water Deal of the Year - Latin America” (operação de Saneamento do ano), concedido ao BNDES pelo projeto Águas do Rio, o BNDES já havia estruturado o financiamento completo ao projeto Águas do Rio, no valor de R$ 19 bilhões.

Em agosto de 2023, BNDES subscreveu R$ 1,9 bi em debêntures de infraestrutura na oferta pública de R$ 5,5 bilhões, realizada pelas concessionárias Águas do Rio 1 e Águas do Rio 4. Foi a maior oferta de debêntures incentivadas de infraestrutura da história do mercado brasileiro e a coordenação e ancoragem do banco na emissão atraiu investidores e contribuiu para redução das taxas finais das debêntures.

O projeto recebeu o selo de debênture sustentável, em função dos impactos sociais e ambientais positivos: 10 milhões de pessoas beneficiadas, de 26 municípios fluminenses, além de Zona Sul, Zona Norte e Centro do Rio.

Já no prêmio “Transport Deal of the Year - Transit - Latin America” (operação de Transporte do ano), o BNDES apoiou, com R$ 4,6 bilhões, melhorias nas linhas 8 e 9 da CPTM de São Paulo, sendo R$ 2,5 bilhões via debêntures sustentáveis. O financiamento vai beneficiar um milhão de passageiros que usam o serviço diariamente com aumento de velocidade e redução do intervalo das composições. A concessionária fará renovação da frota de trens, reforma de estações e trilhos, implantação de novos pátios e travessias e melhoria do nível de serviço. Estima-se um aumento de capacidade de 25% na Linha 8 e de 67% na Linha 9 considerando o trecho mais carregado das linhas e a hora pico.

Do ponto de vista do impacto ambiental, o investimento contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa, na medida em que o transporte metroferroviário é um dos modos de transporte mais sustentáveis e eficientes, com emissões bastante inferiores às dos veículos movidos a combustíveis fósseis. O projeto ainda prevê a restauração das estações históricas Júlio Prestes, Santo Amaro e Estação Cidade Dutra, que contará com a avaliação do IPHAN, CONPRESP e CONDEPHAAT, responsáveis pela preservação do patrimônio histórico federal e municipal.

BNDES e a infraestrutura – O ano de 2023 foi marcado por crescimento de 44% nas aprovações de crédito viabilizadas pelo BNDES, que totalizaram R$ 218,5 bilhões no ano. Desse total, R$ 44 bilhões resultam de garantias do Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), mais que o dobro do que em 2022 (R$ 20 bilhões). As aprovações no setor de infraestrutura, com R$ 78,5 bilhões, apresentaram crescimento de 23% em relação ao ano anterior.

Interna_Prêmio