BNDES - Agência de Notícias

19:15 01 de June de 2020

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:32 16/03/2020 |INDÚSTRIA |MEIO AMBIENTE |SUDESTE

Ultima atualização: 17:38 16/03/2020

Divulgação AMG

• Primeira aprovação do BNDES do gênero possibilitará descaracterização de barragem a montante, como a do Córrego do Feijão, em Brumadinho

• Projeto deve aumentar em dez vezes produção nacional de concentrado de lítio, usado em baterias de veículos elétricos

• Unidade gera 320 postos de trabalho permanentes em cidade com cerca de 8 mil habitantes

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) contratou financiamento para projeto da AMG Mineração S.A. de nova planta de beneficiamento de espodumênio, material concentrado de lítio, na cidade de Nazareno (MG). A planta reaproveitará rejeitos existentes de duas antigas barragens construídas a montante – método que passou a ser proibido pela Agência Nacional de Mineração desde fevereiro de 2019, após os acidentes em Brumadinho e Mariana (MG) – além de novos rejeitos gerados pela produção de tântalo. Com isso, a iniciativa contribuirá para a descaracterização das barragens de rejeitos de mineração, que não recebem material desde setembro de 2018, ampliando a segurança no local. Ao fim da utilização do material depositado, a área voltará a seu estado natural.

“Este é um projeto emblemático no Brasil, pois ao mesmo tempo agrega a exploração econômica do lítio e resolve os problemas do acúmulo de rejeitos em barragens”, afirma o chefe do Departamento de Indústria de Base e Extrativa do banco de fomento, Flávio Mota. “O BNDES atua pensando nos impactos positivos para a sociedade”.

Além do impacto ambiental positivo decorrente da descaracterização das barragens e da ampliação do aproveitamento do material lavrado, a implantação da unidade gerará 320 novos empregos diretos após sua conclusão, com priorização de mão de obra da cidade de Nazareno, que possui cerca de 8 mil habitantes. Como o principal mercado consumidor de concentrado de lítio é a China, a iniciativa apresenta grande potencial de exportação e geração de divisas para o País.

O valor financiado pelo BNDES representa 18% do investimento total, que é de R$ 221 milhões. O projeto deve aumentar em 10 vezes a produção nacional de concentrado de lítio, insumo de alto valor agregado e crescente demanda internacional, pois é utilizado, por exemplo, em baterias de veículos elétricos. Além dos ganhos econômicos para a empresa e para o país, o projeto tem potencial de gerar ainda benefícios ambientais futuros.

A nova planta tem capacidade de produção de 90 mil toneladas de concentrado de lítio, material de alta pureza aplicado em dispositivos de armazenagem de energia e que vem se destacando em relação a outros elementos quanto à durabilidade, ao peso e a seu custo relativo. As instalações apresentam perfil de custos competitivos em relação aos fornecedores internacionais, contribuindo para posicionar o País como fornecedor do insumo, cuja expectativa de crescimento do mercado é de 14% ao ano até 2025.