Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

00:20 05 de March de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:12:10 27/12/2023 |ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA |SUDESTE

Ultima atualização: 14:06 28/12/2023

BNDES e Município se unem para transformar região central do Rio

Um projeto que promete redefinir o cenário urbano e reverter a tendência de esvaziamento populacional e de degradação da região central da cidade, agravados pela pandemia de COVID-19, foi apresentado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao prefeito Eduardo Paes, nesta quarta-feira, 27, na sede da prefeitura do Rio.

Com um investimento de R$ 2 milhões não reembolsáveis, financiado pelo Fundo de Estruturação de Projetos (BNDES FEP), o estudo tem como foco principal a revitalização de ativos imobiliários públicos subutilizados e seus entornos com potencial de serem catalisadores do desenvolvimento. Os parceiros estratégicos da iniciativa são o Município do Rio de Janeiro e a Companhia Carioca de Parcerias e Investimentos (CCPAR).

Interna_ABN


“O estudo é público. Os donos dos imóveis podem procurar o BNDES ou o Banco pode procurá-los para propor a estruturação de projetos. Já estamos estruturando o Palácio do Itamaraty, por exemplo”, revelou o diretor de Planejamento e Estruturação de Projetos do BNDES, Nelson Barbosa.

Inspirado em experiências nacionais e internacionais (Barcelona, Cidade do Cabo, Detroit, NYC, Recife e Seul), o estudo categorizou 46 imóveis públicos do Município, Estado e União, entre 75 analisados, para intervenções específicas, apresentando propostas com estudo de viabilidade financeira, legislativa e estratégias jurídicas. Além de devolver esses ativos à cidade, o objetivo é fortalecer a centralidade da região, tornando-a mais habitável, verde e atrativa.

Atualmente, o centro da capital recebe 800 mil usuários por dia, mas tem menos de 50 mil moradores. O projeto não se limita ao centro histórico (Centro e Lapa), estendendo sua visão transformadora para três regiões administrativas: a região Portuária (Saúde, Gamboa, Santo Cristo e Caju) e a região entorno da Av. Francisco Bicalho, abarcando a Estação Leopoldina, desativada desde 2002.

“As pessoas conhecem mais a Leopoldina pelo prédio histórico do que pelo terreno, que é gigantesco, tem mais de 100 mil m². Acreditamos que o prédio histórico precisa ser urgentemente restaurado, com diversos usos – comercial, institucional, educacional. E o resto do terreno deveria abrigar equipamentos residenciais, demandando também equipamentos públicos para criar um novo bairro no local”, destacou o chefe do Departamento de Estruturação de Projetos com Ativos Imobiliários Públicos do BNDES, Osmar Lima.  

Estação Leopoldina


Estratégias imobiliárias –
Para o projeto, foram pensadas quatro categorias de imóveis: âncoras do território (vetores de atração para dinamizar as áreas de grande influência), reforço a atividades (complementares à dinâmicas pré-existentes), “acupuntura urbana” (desenvolvedores de atividades pontuais dinamizadoras para promoção de vitalidade e segurança) e retrofit ou reconversão imobiliária (em prédios e espaços históricos ou com relevância arquitetônica).

O estudo do BNDES prevê intervenções em edificações e terrenos na região da praça da Cruz Vermelha, em terreno do INCA, nas ruas do Lavradio, dos Arcos, do Acre, Buenos Aires, Visconde de Inhaúma, próximo ao Saara, e nas proximidades da rodoviária, no entorno da Quinta da Boa Vista, as avenidas Rodrigues Alves e Presidente Vargas - na área do Centro Administrativo e da Central do Brasil.

Também estão previstas intervenções na região da Praça Mauá, incluindo o edifício A Noite, e o Moinho Fluminense, na Rua Sacadura Cabral. O projeto inclui ainda a construção de habitações populares em terrenos negligenciados, como o pertencente ao INSS, na Avenida Passos. A intenção é transformar espaços vazios, que atualmente degradam a região central, em áreas dinâmicas e pulsantes.

A iniciativa não esquece da necessidade de adaptação climática. Com a visão de tornar a região resiliente ao calor extremo, o projeto propõe sombreamento de vias, espaços verdes, drenagem eficiente de águas pluviais e infraestrutura sustentável, incluindo a construção de telhados verdes.

“Quando a gente propõe usos para os imóveis, queremos trazer gente para o Centro. Hoje ele é cinza e quente e, para revitalizá-lo, é preciso transformá-lo em algo verde e agradável. Propomos a criação de sub-bairros, de vizinhanças. Precisamos acalmar o tráfico, arborizar, criar corredores de ciclovia por dentro do Centro e oferecer segurança. A vantagem da região é que a infraestrutura construída já é muito boa, tem metrô, VLT etc”, explicou Osmar Lima.

P02-Mal-Floriano_2K._baixapng

 

Veja a íntegra do estudo aqui.