Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

23:38 12 de April de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:18:05 07/03/2024 |INFRAESTRUTURA |MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS

Ultima atualização: 18:10 07/03/2024

André Telles / Divulgação BNDES

BNDES e Caixa discutem iniciativas para MPMEs e banda larga no Minha Casa, Minha Vida

  • Para Aloizio Mercadante e Carlos Antônio Vieira, a retomada da parceria entre as duas instituições também poderá prever acesso a crédito para catadores de recicláveis

 

Em reunião nesta quarta-feira, 6, no Rio de Janeiro (RJ), os presidentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, e da Caixa Econômica Federal, Carlos Antônio Vieira, deram início à retomada das relações entre as duas instituições, interrompida em 2020.

Entre as iniciativas em debate, a retomada do crédito para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), tendo a Caixa como operadora do BNDES, aproveitando o lançamento em breve do novo Cartão BNDES.

“Estamos restabelecendo uma parceria, que chegou a movimentar R$ 3,9 bilhões em repasses de recursos do BNDES no ano de 2014, mas que foi interrompida em 2020. A participação da Caixa contribuirá para o ambiente de negócios e para a geração de emprego e renda no país”, afirmou o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante.

“A Caixa já foi o principal agente financeiro para micro e pequena empresa no Brasil e tem interesse em retomar essa atuação, principalmente para atender cadeias produtivas”, disse o presidente da instituição, Carlos Vieira.

Conectividade – Na reunião, Mercadante e Vieira também discutiram a oferta de internet banda larga em programas de moradia popular, como o Minha Casa, Minha Vida, por meio de recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST), gerido pelo BNDES, além de crédito para catadores de recicláveis.

“A pandemia mostrou o quanto é importante para a educação o acesso à banda larga. Tivemos um apartheid digital porque não tinha banda larga para o filho do pobre, que não tinha acesso à internet”, lembrou Mercadante. “Podemos iniciar um projeto-piloto de oferta de internet em conjuntos habitacionais já contratados e que tenham grande densidade populacional”, avaliou Vieira.

 

07032024André Telles / Divulgação BNDES