Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

17:37 23 de June de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:16:16 04/09/2023 |INSTITUCIONAL

Ultima atualização: 13:05 17/10/2023

BNDES e CEPAL firmam acordo em evento de 75 anos da Comissão, no Chile

  • Mercadante anunciou ainda durante sua conferência na CEPAL o projeto de criação de um centro de formação para gestores públicos brasileiros e latino-americanos

 

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, assinou um memorando de entendimento junto com o secretário-executivo da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), da Organização das Nações Unidas, José Manuel Salazar-Xirinachs, para que as duas instituições realizem parceria técnica para desenvolvimento de pesquisas e publicação de trabalhos conjuntos. A assinatura ocorreu durante evento comemorativo dos 75 anos da Cepal, nesta segunda-feira, 4, em Santiago, no Chile. Mercadante anunciou ainda, durante sua conferência, o projeto de criação de um centro de formação para gestores públicos brasileiros e latino-americanos.

Para a coordenação das atividades de cooperação, o documento institui o Grupo de Trabalho (GT) BNDES CEPAL +70, com o intuito de pesquisar temas-chave de interesse das duas instituições, como a construção de novos modelos de desenvolvimento com sustentabilidade, aliando a transição de baixo carbono com produtividade e inclusão; o impulsionamento à neoindustrialização e novas políticas para o desenvolvimento produtivo, baseada na transição ecológica e na transformação digital; a reinserção da economia brasileira e latino-americanas e do Caribe nas cadeias globais de valor; o fortalecimento da integração regional; e a promoção da igualdade social, de gênero, racial, étnica, entre outras.

“A América Latina precisa buscar mais interações entre os países do Sul global, como temos feito, por exemplo, no Brasil, na política externa do presidente Lula, em fortalecer e ampliar os BRICS. Acho que esse novo cenário de mudança geopolítica, junto com uma mudança do padrão tecnológico numa indústria 4.0 e da crise climática, abre um espaço para a América Latina se reposicionar”, propôs Aloizio Mercadante.