Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

00:38 12 de Abril de 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:16:58 01/04/2021 |INDÚSTRIA

Ultima atualização: 09:21 05/04/2021

Lenzing/Divulgação
Vista aérea da unidade da Duratex de Itapetininga, em São Paulo.

 

  • Empresa estabeleceu parceria com uma das maiores produtoras de fibras celulósicas do mundo - Lenzing AG

  • Companhia está entrando na produção de celulose solúvel

  • Financiamento só poderá ser usado na aquisição de produtos brasileiros

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social aprovou crédito no valor de R$ 697 milhões para a Duratex S.A. adquirir máquinas, equipamentos e materiais industrializados de fabricação nacional. Os recursos foram aprovados no âmbito do BNDES Finame Direto. O anúncio foi feito pela empresa em comunicado ao mercado nesta quarta-feira, 31 de março.

Em suas recentes iniciativas, em 2019, a Duratex concluiu a formação da joint-venture LD Celulose S.A. (“LD Celulose”) com a Lenzing AG, companhia austríaca líder mundial na produção de fibras de celulose. O projeto envolve a construção de uma nova planta de 500 mil toneladas/ano de celulose solúvel em Minas Gerais com início da operação previsto para 2022. A participação da Duratex é de 49% no capital da LD Celulose e o investimento estimado do projeto é de aproximadamente R$ 5,2 bilhões. A Duratex participará através de aporte de ativos florestais além de financeiros.

Com o projeto, a Duratex diversifica seus negócios e aumenta o retorno de seus ativos florestais. A parceria com uma das maiores produtoras de fibras celulósicas do mundo tende a garantir uma entrada segura da companhia na produção de celulose solúvel. A produção na nova planta será adquirida pela Lenzing e utilizada na fabricação de viscose, fibra celulósica usada como base para fios empregados em tecidos.

A viscose vem substituindo o algodão na fabricação de diversos produtos na indústria têxtil, sendo um insumo cuja produção em escala global ainda não é considerada plenamente desenvolvida e cuja participação de mercado deverá continuar sua trajetória de crescimento.