Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

17:23 23 de July de 2024

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:10:37 24/06/2024 |INDÚSTRIA |NORDESTE

Ultima atualização: 12:01 24/06/2024

J. Macêdo/Divulgação

BNDES aprova R$ 236 milhões à indústria de alimentos J.Macêdo para nova fábrica no Ceará

  • Projeto em Horizonte, região metropolitana de Fortaleza, terá foco em produtos alimentícios das marcas da empresa e deve gerar 350 empregos

 

  • Entre os itens financiados pelo Banco, estão obras civis e de infraestrutura, linhas de produção e aquisição de máquinas e equipamentos nacionais

 

  • Companhia comercializa marcas como farinhas Dona Benta e Boa Sorte, macarrões e massas Petybon e Sol (biscoitos, salgadinhos e sobremesas)

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou R$ 236 milhões para a J.Macêdo, uma das maiores empresas do setor alimentício do País, investir em uma nova planta industrial no estado do Ceará, onde a companhia surgiu há 85  anos. O projeto apoiado pelo Banco visa à implantação de uma fábrica em Horizonte, cidade na região metropolitana de Fortaleza, que terá foco em produtos alimentícios das marcas da empresa.

Denominado Projeto Camocim, o novo empreendimento produzirá massas longas, curtas e do tipo ninho, além de misturas para bolos. O complexo também contará com um centro de distribuição para atender às regiões Norte e Nordeste e um galpão de reciclagem. Entre os investimentos previstos, para os quais o BNDES aprovou R$ 125,8 milhões, estão obras civis (como terraplanagem, pavimentação e calçamento), infraestrutura (escritório, portaria, galpão e casa de máquinas, entre outros) e linhas de produção.

Para essas linhas, serão adquiridos equipamentos e máquinas nacionais, também financiados pelo Banco com R$ 110 milhões do Finame Direto (atualmente, uma linha do produto BNDES Máquinas e Serviços). Mais moderno, o maquinário ocupa menos espaço, utiliza menor quantidade de matéria-prima e consome menos energia, água e outros recursos, aumentando a produtividade. 

“Além de estarmos apoiando um projeto greenfield, ou seja, um investimento totalmente novo, que amplia a capacidade produtiva e gera novos empregos, os financiamentos também impactam fortemente a cadeia produtiva, já que um valor relevante dos recursos irá para aquisição de maquinário nacional, incentivando a produção de bens de capital brasileiros”, destacou o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante.

Essa será a segunda unidade industrial da J.Macêdo no Ceará. O grupo já mantém, em Fortaleza, um moinho para processamento de trigo em farinha. O novo empreendimento deve gerar 150 empregos diretos na fase de implementação e 200 após a conclusão. O projeto é modular e prevê possibilidades futuras de ampliação e de expansão. “Com o apoio do BNDES, teremos um Complexo Industrial moderno, com tecnologia de ponta, integrado com a comunidade e atento à proteção ao meio ambiente”, afirma Irineu José Pedrollo, diretor-presidente da J.Macêdo.  

Fundada em 1939, em Fortaleza, a empresa atua no setor de moagem e beneficiamento de trigo, em categorias como farinhas, massas, misturas para bolo, biscoitos, salgadinhos e sobremesas, comercializando marcas como Dona Benta, Sol, Petybon e Boa Sorte. Com plantas fabris em Simões Filho (BA) e São José dos Campos (SP) e moinhos em Fortaleza, Salvador (BA), Londrina (PR) e Varginha (MG), a companhia emprega 3 mil trabalhadores, diretos e indiretos.

 

PHOTO-2024-06-24-11-45-24
Foto: J. Macêdo - Divulgação