Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

20:56 20 de May de 2022

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:15:43 04/03/2022 |CULTURA |SUDESTE

Ultima atualização: 10:30 11/03/2022

Ronaldo Caldas/Ascom Ministério da Cidadania
Imóvel histórico data do século XVIII

- Operação é a primeira aprovada no âmbito da chamada Resgatando a História 2021, que selecionou 21 projetos em conjunto com a iniciativa privada

- Apoio do Banco será de R$ 3,075 milhões, metade do investimento total

- Iniciativa do BNDES, o Resgatando a História é hoje o maior programa de preservação de patrimônio histórico já realizado no Brasil


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou o apoio de R$ 3,075 milhões ao Museu de Mariana, em Minas Gerais. O projeto prevê a restauração física do imóvel histórico datado do século XVIII localizado na Rua Direita (para a implantação de uma segunda unidade do museu, além de ações de educação patrimonial e o desenvolvimento de um roteiro turístico da cidade. A aprovação é a primeira entre as 21 pré-selecionadas pela chamada Resgatando a História 2021, programa em parceria com a inciativa privada que aplicará pelo menos R$ 309,8 milhões em projetos de restauro e conservação.

“Mariana possui um importante conjunto arquitetônico colonial brasileiro reconhecido como patrimônio nacional desde 1938. O BNDES já apoia diversas iniciativas no município e a implantação do Museu de Mariana complementará essa atuação, permitindo compreender a cidade como legado patrimonial”, declarou Bruno Aranha, Diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do BNDES. “Com ações voltadas para educação patrimonial e desenvolvimento de um programa de turístico do centro histórico, vamos contribuir para a diversificação econômica do município, hoje concentrado na mineração”, explicou o executivo.

O BNDES aportará 50% do valor total do projeto, que é de R$ 6,15 milhões e será desenvolvido pelo Instituto Pedra, uma organização sem fins lucrativos, em parceria com o Município de Mariana. O restante será viabilizado pelo Instituto Cultural Vale (R$ 2,02 milhões), pelo Município de Mariana (R$ 783,24 mil e pelo Instituto Pedra (R$ 267 mil).
No município, o BNDES já apoiou nos últimos anos o restauro da Casa Conde de Assumar e da Igreja São Francisco de Assis, ora em execução, assim como as atividades da Escola de Ofícios, que visa formar mestres artesãos.

 


A restauração do casarão da Rua Direita onde será instalada a segunda unidade do Museu de Mariana complementa a recuperação da Casa Conde de Assumar e envolverá a implantação e espaço para exposições, instalação de auditório, adequação do espaço para portadores de necessidades especiais e ações de prevenção e combate a incêndio, entre outras iniciativas.

Nele devem ser realizadas exposições que tratem principalmente da história do município a partir do século XX, levando em conta aspectos políticos, econômicos, sociais e culturais, com destaque para as atividades de mineração e suas relações com a região. Um dos assuntos a ser abordado deve ser o desastre humano e ambiental provocado pelo rompimento da barragem em Bento Rodrigues em 2015 e seus impactos, sentidos até hoje no município. O projeto expográfico prevê amplo uso de conteúdos multimídias, como dispositivos interativos e audiovisuais.

Resgatando a História - O Resgatando a História é uma ação conjunta entre o BNDES, AMBEV, EDP, MRS, Instituto Neoenergia e Instituto Cultural Vale. Por meio dela viabilizará o apoio a 21 projetos de restauro e revitalização do patrimônio histórico nacional escolhidos por meio de uma seleção pública.

“O Resgatando a História é o maior programa de preservação de patrimônio histórico já realizado no Brasil congregando esforços das iniciativas público e privada, que poderá gerar mais de R$ 300 milhões de investimentos em patrimônio histórico”, declarou Aranha.

Os aportes do Banco são provenientes do BNDES Fundo Cultural e serão feitos por meio de financiamentos não reembolsáveis, ou seja, sem necessidade de pagamento de volta, desde que sejam cumpridas as finalidades do projeto e as condições estabelecidas no contrato. Os valores poderão contar com incentivos fiscais da Lei Federal de Incentivo à Cultura desde que os projetos obtenham aprovação no Programa Nacional de Incentivo à Cultura (PRONAC), o que será condição prévia para a aprovação final e o desembolso dos recursos.

O financiamento do BNDES é complementar e proporcional ao montante captado por cada projeto. Os do Norte e Nordeste poderão contar com maior participação financeira do BNDES. Isso reflete as regras da seleção, que buscam estimular as iniciativas de regiões com mais dificuldade de captação.

O BNDES é um dos maiores e mais permanentes apoiadores do patrimônio histórico brasileiro: ao longo dos últimos 24 anos, investiu mais de R$ 600 milhões para projetos de restauro, preservação e revitalização de cerca de 200 monumentos localizados em todas as regiões do país.

A lista dos 21 projetos pré-selecionados e dos que compõem o cadastro de reserva está disponível no link.

Saiba mais sobre o apoio do BNDES ao projeto neste vídeo e sobre o apoio do BNDES a projetos de preservação e revitalização do patrimônio cultural brasileiro no nosso site.