Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

08:24 30 de November de 2022

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:12:11 19/05/2022 |EDUCAÇÃO |INFRAESTRUTURA |INSTITUCIONAL

Ultima atualização: 12:24 19/05/2022

Apoio do Banco será de R$ 5,48 milhões, 55% do investimento total

 

Iniciativa do BNDES, o Resgatando a História é hoje o maior programa de preservação de patrimônio histórico já realizado no Brasil

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai apoiar o Portomídia (Centro de Empreendedorismo e Tecnologias de Economia Criativa), em Recife (PE). O projeto possibilitará a ampliação da capacidade de atendimento do centro, o restauro do imóvel e a modernização de suas instalações. A sede é um importante polo de tecnologia, criatividade e empreendedorismo que visa o fomento e fortalecimento de seis campos da economia da cultura: games, cinevideoanimação, multimídia, design, fotografia e música. O apoio do Banco se dará com investimento não reembolsável de R$ 5,48 milhões de recursos do Fundo Cultural. A iniciativa faz parte do programa Resgatando a História, do BNDES.

A edificação está inserida no conjunto arquitetônico, paisagístico e urbanístico tombado do bairro do Antigo Recife. O processo de restauração, além da preservação das características históricas e culturais do ambiente, possibilitará o desenvolvimento do Portomídia enquanto um espaço de difusão do desenvolvimento sustentável. Haverá aumento da área destinada a empresas embarcadas no Parque Tecnológico.

“O projeto de reforma e ampliação do Portomídia contribui não apenas para a preservação, valorização e revitalização do centro histórico de Recife, mas também soma esforços para a dinamização econômica local por meio da economia criativa, trazendo ainda desenvolvimento tecnológico para a região Nordeste e reduzindo as desigualdades regionais”, afirmou Bruno Aranha, Diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do BNDES.

O projeto de restauração prevê a melhoria estrutural e de instalações do local, bem como a adaptação dos andares para ampliação dos espaços de coworking. Com isso espera-se fomentar a criação, a atração e o fortalecimento de negócios de Economia Criativa intensivos em tecnologias digitais. Também serão implementados laboratórios de produção audiovisual, ampliados os de pós-produção audiovisual e atualizados os equipamentos do parque tecnológico da instituição.

Portomídia – O Porto Digital foi criado em 2000 pelo Governo do Estado de Pernambuco como projeto de estímulo ao empreendedorismo e à inovação. Ele foi instalado no centro histórico do Recife como um incentivo à revitalização urbana da localidade. O Portomídia foi inaugurado em 2013 como seu braço voltado ao setor de Economia Criativa. O Portomídia está inserido num setor com alta proporção de empregos de qualidade, empregando profissionais qualificados na área de audiovisual, e contribuindo diretamente na produção do cinema nacional. Ele também contribui para a ampliação da participação da Região Nordeste na produção nacional da economia criativa, contribuindo assim para a redução das desigualdades regionais

As metas de crescimento do Porto Digital preveem a geração de cerca de 12.000 novas vagas até o ano 2025, totalizando 20.000 empregos nas áreas de TIC e Economia Criativa.

Resgatando a História - O Resgatando a História é uma ação conjunta entre o BNDES, AMBEV, EDP, MRS, Instituto Neoenergia e Instituto Cultural Vale. Por meio dela viabilizará o apoio a 21 projetos de restauro e revitalização do patrimônio histórico nacional escolhidos por meio de uma seleção pública.

“O Resgatando a História é o maior programa de preservação de patrimônio histórico já realizado no Brasil congregando esforços das iniciativas público e privada, que poderá gerar mais de R$ 300 milhões de investimentos em patrimônio histórico”, declarou Aranha.

Os aportes do Banco são provenientes do BNDES Fundo Cultural e serão feitos por meio de financiamentos não reembolsáveis, ou seja, sem necessidade de pagamento de volta, desde que sejam cumpridas as finalidades do projeto e as condições estabelecidas no contrato. Os valores poderão contar com incentivos fiscais da Lei Federal de Incentivo à Cultura desde que os projetos obtenham aprovação no Programa Nacional de Incentivo à Cultura (PRONAC), o que será condição prévia para a aprovação final e o desembolso dos recursos.

O financiamento do BNDES é complementar e proporcional ao montante captado por cada projeto. Os do Norte e Nordeste poderão contar com maior participação financeira do BNDES. Isso reflete as regras da seleção, que buscam estimular as iniciativas de regiões com mais dificuldade de captação.

O BNDES é um dos maiores e mais permanentes apoiadores do patrimônio histórico brasileiro: ao longo dos últimos 24 anos, investiu mais de R$ 600 milhões para projetos de restauro, preservação e revitalização de cerca de 200 monumentos localizados em todas as regiões do país.