Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Thu Oct 21 21:38:41 UTC 2021 Thu Oct 21 21:38:41 UTC 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:13:39 29/04/2021 |MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS

Ultima atualização: 13:46 29/04/2021

Divulgação
Medida alivia caixa das MPEs, avalia diretor do Banco

• Pagamentos podem ser suspensos por até seis meses

• Empréstimos em TLP podem ser prorrogados por dezoito meses

• Estima-se que mais de cem mil empresas sejam elegíveis, totalizando R$ 2,9 bi

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) terá uma nova rodada de suspensão temporária de pagamentos de empréstimos, cumprindo sua missão de apoiar as empresas brasileiras para superar a crise. Desta vez, os beneficiados serão todos os micro e pequenos empreendedores, dos mais diversos setores econômicos, que obtiveram financiamento do BNDES por meio de instituições financeiras credenciadas.

Como nas rodadas anteriores, o período de pausa sem pagamentos será de até seis meses. A nova rodada traz também a possibilidade inédita de prorrogação do prazo total de financiamento em até 18 meses, o que não estava previsto na suspensão oferecida no ano passado.

Com a duração dos efeitos da pandemia de COVID-19 sobre a economia brasileira ainda em 2021, o BNDES decidiu oferecer novamente a possibilidade de que as empresas suspendam o pagamento das parcelas de seus financiamentos, explica Bruno Laskowski, diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto. “As micro e pequenas empresas poderão contar com esse alívio no caixa e, com isso, acreditamos aumentar as chances de elas superarem a crise e manterem empregos".

Estima-se que mais de 100 mil empresas possam ter pagamentos suspensos, em valor potencial de R$ 2,9 bilhões. As operações dessa modalidade de crédito, contratadas em Taxa de Longo Prazo (TLP), poderão ter o prazo final prorrogado por até 18 meses.

O BNDES já disponibilizou solução similar em 2020. A prática de suspensão de pagamentos, conhecida no mercado como standstill, contou com duas rodadas no ano passado, totalizando R$ 3,1 bilhões em pagamentos de financiamentos indiretos automáticos suspensos, beneficiando quase 29 mil empresas com 2,5 milhões de trabalhadores.

A suspensão das prestações deverá ser negociada pelo empreendedor diretamente com o agente financeiro que lhe concedeu o financiamento original. Os pedidos já podem ser feitos a partir de hoje.

Não estão incluídos nessa possibilidade os empréstimos tomados na modalidade do Programa Emergencial de Acesso ao Crédito (PEAC) ou quaisquer outros que contam com algum fundo garantidor ou subvenção econômica; aqueles tomados para negócios envolvendo comércio exterior ou contratados pela administração pública; e dívidas agrícolas já renegociadas.