BNDES - Agência de Notícias

06:58 14 de Agosto de 2020

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:20:19 12/02/2020 |MERCADO DE CAPITAIS

Ultima atualização: 12:48 20/02/2020

Fernando Frazão/Agência Brasil
  • Banco poderá usar os R$ 22 bilhões arrecadados em projetos que incentivem o desenvolvimento do Brasil e melhore a vida das pessoas

  • Mais de 50 mil pessoas físicas participam da oferta de ações

  • Risco de mercado do Banco com renda variável cai consideravelmente, tornando a instituição mais sólida

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vendeu na sexta-feira sua participação de 9,87% em ações ordinárias (ON) da Petrobras, negociadas a R$ 30,00. O valor total da operação foi de R$ 22 bilhões, sendo a maior oferta de ações dos últimos dez anos no Brasil.

A venda de ações de Petrobras, Marfrig e Light soma R$ 25 bilhões e está em linha com uma das metas determinadas pela atual gestão quando de sua posse, de acelerar a venda de ativos da BNDESPar, bem como atende também aos objetivos do Plano Trienal 2020-2022 do BNDES.

A demanda dos investidores foi o dobro do volume ofertado, chegando a cerca de R$ 40 bilhões. Tendo em vista esse cenário, o BNDES exerceu não somente a oferta base, no valor de R$ 18,35 bilhões, mas também o “hot issue”, um lote suplementar de ações, no montante de R$ 3,67 bilhões, o que totalizou R$ 22 bilhões.

O preço de R$ 30,00 teve desconto ao preço de tela de somente 1,57% no Brasil. Esse percentual é bem inferior à média do mercado para operações desse tipo, de 3,9%.

O sucesso dessa operação significa clara demonstração de interesse dos investidores pelo Brasil e pela Petrobras. Essa foi a também a maior oferta pública em empresa estrangeira registrada nos EUA nos últimos 12 meses e a maior oferta pública secundária (quando ações já emitidas pela empresa trocam de mãos no mercado) da história do Brasil.

Com a finalização da oferta pública, foi reduzida em 20% a carteira de ações do Sistema BNDES, diminuindo a exposição do Banco a potenciais perdas com oscilações na bolsa de valores.

Considerando-se a venda de ações ON da Petrobras, o VaR (índice que mede o risco de perda máxima) da carteira do BNDES caiu de R$ 3,3 bilhões no final de janeiro, para R$ 2,9 bilhões, o que significa uma queda de 15% no valor do risco. Além disso, a participação da renda variável nos ativos do banco, considerando o último balanço disponível (Dez/19), cai de 15% para 12%.

A oferta pública de ações da Petrobras, que colocou no mercado mais de 700 milhões de ações ON, permitiu o aumento da liquidez do papel. Do total da oferta, 77% foram vendidos na oferta feita no Brasil e 23% na internacional, por meio de ADRs. A oferta atingiu 53  mil pessoas físicas, que compraram 16,6% do total vendido, o que significa a democratização da propriedade da companhia pela população brasileira.

Com a venda das ações, o BNDES teve resultado bruto de R$ 22,03 bilhões, lucro bruto de R$ 7,12 bilhões e um efeito de caixa positivo de R$ 20,87 bilhões. Toda a operação vai proporcionar à União uma apuração de tributos no valor de R$ 2,9 bilhões.

O Banco do Propósito - O BNDES reafirma que o valor arrecadado, de R$ 22 bilhões, entra no caixa do Banco e será direcionado a consecução do seu propósito, o desenvolvimento do país e a melhoria de qualidade de vida dos brasileiros, por meio da estruturação de projetos e financiamentos de infraestrutura, saneamento, educação, segurança, conservação do meio ambiente, entre outros.