BNDES - Agência de Notícias

01:26 19 de October de 2019

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:14 02/01/2019 |INFRAESTRUTURA |SUDESTE

Ultima atualização: 11:52 11/01/2019

Divulgação/Logum
128 km de novos dutos vão substituir 400 mil viagens de caminhões que ocorrem por ano na região metropolitana de São Paulo

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Logum Logística S.A (Logum) celebraram contrato de financiamento no valor de R$ 1,81 bilhão para a implantação da infraestrutura dutoviária e de armazenamento do Sistema Logístico de Etanol.

Com a operação, a Logum dará continuidade aos investimentos de implantação do Sistema Logístico de Etanol, cuja fase inicial foi apoiada pelo BNDES com recursos de empréstimo de curto prazo (empréstimo-ponte), contratado em 2011. Além da realização de nova fase de investimentos para a expansão de capacidade do sistema, parte do novo financiamento será utilizada no alongamento da dívida do empréstimo-ponte. O apoio do BNDES corresponde a aproximadamente 54% dos investimentos no projeto, que totalizam cerca de R$ 3,3 bilhões, considerando-se as duas fases.

Projeto - O Sistema Logístico de Etanol consistirá em aproximadamente 481 km de dutos próprios da Logum e em terminais em Uberaba (MG), Ribeirão Preto (SP) e Guarulhos (SP), com a finalidade de conectar as regiões produtoras do interior de São Paulo e de Minas Gerais aos principais centros consumidores das regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro, através de dutos próprios e de dutos da Petrobras operados pela Transpetro.

Cerca de 353 km de dutos próprios da Logum, entre Uberaba (MG) e Paulínia (SP), e os terminais coletores e de armazenamento de etanol em Ribeirão Preto (SP) e Uberaba (MG) foram concluídos com apoio do empréstimo-ponte e já estão em operação.  A partir de Paulínia, o atendimento às regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro é feito através da utilização de dutos da Petrobras operados pela Transpetro.

 "Esse é um sistema único de dutos e terminais dedicado ao transporte de etanol e biocombustíveis.Temos gasodutos e dutos para o transporte de combustíveis, mas nenhum com foco no transporte do etanol” (Gabriela Valadão, gerente do Departamento de Logística do BNDES)

A nova fase de investimentos financiada pelo BNDES permitirá a ampliação do atendimento aos centros consumidores de São Paulo. O projeto envolve a construção de cerca de 128 km adicionais de dutos próprios a partir de Guararema (SP), divididos em dois trechos novos: um até São José dos Campos (SP), com 36 km, e outro até São Caetano do Sul (SP), com 92 km, passando por Guarulhos (SP). O projeto prevê ainda a implantação de um terminal de armazenagem de combustível em Guarulhos (SP) que funcionará como estoque regulador para garantir mais confiabilidade e rapidez à entrega do etanol.

Em 2017, o Sistema Logístico de Etanol transportou por meio de dutos 2,5 bilhões de litros de etanol, o que o torna o principal sistema de escoamento do etanol brasileiro e o único a utilizar o modal dutoviário. Após a conclusão dos novos investimentos, prevista para 2021, a capacidade de transporte de combustível será expandida para mais de 8 bilhões de litros de etanol/ano.

"Apenas os novos dutos vão substituir 400 mil viagens de caminhões que ocorrem por ano na região metropolitaba de São Paulo" (Wagner Biasoli, presidente da Logum)

Conforme explicou a gerente do Departamento de Transporte e Logística do BNDES, Gabriela Valadão, esse é um sistema único no país de dutos e terminais  dedicado ao transporte de etanol e biocombustíveis. “Temos gasodutos e dutos para o transporte de combustíveis, mas nenhum com foco no transporte do etanol”, disse.

O projeto está alinhado com o RenovaBio, política pública que traz entre seus objetivos a promoção da expansão do biocombustível na matriz energética nacional. A implantação do projeto possui diversos impactos econômicos, sociais e ambientais, associados à substituição do modal rodoviário pelo dutoviário, como o aumento da produtividade e eficiência do transporte de etanol, a melhoria da mobilidade com redução da circulação de caminhões em grandes centros urbanos e a redução de emissões de gases de efeito estufa e de outros poluentes associados ao transporte rodoviário. “Apenas os novos dutos vão substituir 400 mil viagens de caminhões que ocorrem por ano na região metropolitana de São Paulo, o que permitirá uma redução na emissão de gás carbônico equivalente a 700 mil toneladas por ano”, revelou o presidente da Logum, Wagner Biasoli.

SPE – Com sede no Rio de Janeiro, a Logum Logística S.A., que tem como acionistas Petrobras, Raízen Energia, Copersucar e Uniduto, é uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), criada em 2011, com o objetivo de implantar um sistema logístico multimodal de transporte e armazenagem de etanol e de derivados de petróleo.

_MT_1549_logum_divulgacao