Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Sun Sep 26 07:16:02 UTC 2021 Sun Sep 26 07:16:02 UTC 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:16:00 11/02/2021 |SAÚDE |NORTE

Ultima atualização: 17:31 11/02/2021

SESAU Roraima

 

  • Empresa de geração de energia doou R$ 800 mil e Banco dobrou o valor

 

  • Além da usina, cilindros de 10 metros cúbicos de O2 e equipamentos de proteção individual (EPIs) fazem parte da entrega

 

  • Eneva participa pela segunda vez do “Salvando Vidas” e reforça a credibilidade do programa

 

 

O programa Matchfunding Salvando Vidas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entregará, nos próximos dias, uma usina de oxigênio com capacidade de produção de 30 metros cúbicos por hora e cilindros para armazenagem com capacidade de 10 metros cúbicos ao Hospital Geral de Roraima, o maior hospital público da capital Boa Vista. Com previsão de entrega até 25 de fevereiro, a usina poderá atender até 30 leitos de UTI para a Covid-19.


A doação, no valor total de R$ 800 mil, é da Eneva, empresa integrada de geração de energia. O valor será dobrado pelo Banco, que, de acordo com as regras do programa, aporta R$ 1 a cada real doado. Com isso, a doação total será de R$ 1,6 milhão. Além da nova usina, o dinheiro também será utilizado para adquirir cilindros de O2 e equipamentos de proteção individual (EPIs).


A produção da usina atenderá integralmente as necessidades do hospital, além de permitir a liberação de cilindros para outros hospitais, nos municípios do entorno de Boa Vista. Segundo o governo de Roraima, o hospital está com 95% dos leitos dedicados à Covid-19 ocupados.


Esta não é a primeira vez que a Eneva participa do BNDES Matchfunding Salvando Vidas. A nova doação, de R$ 800 mil, é o dobro do que o valor doado pela empresa em 2020, R$ 400 mil. A empresa está construindo, em Boa Vista, a Usina Termelétrica Jaguatirica II, que vai gerar 117 MW de energia elétrica a partir do gás natural proveniente do campo de Azulão, no Amazonas. A energia gerada vai atender cerca de 70% do consumo de todo o Estado, substituindo a atual geração a diesel, com consequente redução de emissões e de custos de geração.


Dessa forma, a doação da empresa reforça suas práticas na agenda ASG (ambiental, social e governança corporativa), no âmbito da promoção da saúde pública nas proximidades de suas operações. “Seguimos apoiando as comunidades e o poder público. A Eneva não pode deixar de ser solidária e responsável neste momento de urgência”, destaca Pedro Zinner, CEO da empresa.


Para o chefe do Departamento de Relacionamento de Impacto com Setor Corporativo do BNDES, Marcus Cardoso Santiago, a nova doação da empresa mostra a credibilidade da iniciativa do Banco e a importância de mantermos a campanha para preservar a vida de muitos brasileiros: “O BNDES e a Eneva dão um belo exemplo de como, juntos, podemos salvar muitas vidas”.


Já o chefe do Departamento do Complexo Industrial e de Serviços de Saúde do Banco, João Paulo Pieroni, revelou que, em 2021, o Salvando Vidas focará em apoio às soluções de fornecimento de oxigênio, em especial para regiões que mais sofrem com este problema, como o Norte do país.

  

Recorde – O programa Salvando Vidas foi lançado em abril de 2020, numa parceria entre o Banco, a Sitawi Finanças do Bem, a Confederação das Santas Casas de Misericórdia (CMB) e a Bionexo. Já na primeira fase, se tornou o maior matchfunding conhecido no Brasil, arrecadando, até o mês de dezembro, R$ 80 milhões em doações, por meio da plataforma de crowdfunding da Benfeitoria. Isto foi possível graças aos mais de 1.600 doadores, entre pessoas físicas, empresas e o BNDES. Foram beneficiados 562 instituições filantrópicas e hospitais públicos que atendem o SUS, com 44 milhões de EPIs, em mais de 460 municípios de todas as regiões do país.


Segunda fase – O BNDES decidiu iniciar uma segunda etapa do programa Salvando Vidas para atender as capitais que ainda sofrem com a falta de equipamento necessário ao combate do Coronavírus. Desta vez, porém, são aceitas somente doações de pessoas jurídicas de, no mínimo, R$ 100 mil. O Banco continuará dobrando o valor doado com recursos próprios.


Os interessados devem entrar em contato com a Sitawi (salvandovidas@sitawi.net), para assinar o contrato e fazer o depósito. O BNDES acrescenta o mesmo valor da doação e a plataforma eletrônica da Bionexo realiza as compras, o que garante transparência e eficiência.


A escolha das instituições que receberão o apoio do Salvando Vidas é decidida em conjunto com a CMB, levando-se em conta a situação crítica dos hospitais quanto ao número relativo de óbitos por Covid-19 naquele município e a taxa de ocupação dos leitos. O doador, por sua vez, pode seguir o ranking definido pelo Banco ou direcionar sua doação para hospitais que constam na lista do Salvando Vidas. Sempre com o propósito de tornar todas as operações transparentes, o programa conta com a revisão independente da E&Y Brasil, que presta este serviço de forma probono e que já publicou dois relatórios disponíveis na página do programa. As informações sobre o Matchfunding Salvando Vidas podem ser encontradas em: https://puragratidao.net/.


Sobre a Eneva - Empresa integrada de energia, que une a atividade de exploração e produção de gás natural em terra à geração de energia. As operações da Eneva estão concentradas no Norte e Nordeste do país e contribuem para o aumento da segurança energética das regiões e para a modicidade tarifária. Atualmente, possui um parque de geração térmica de 2,2 GW, que representa 9% da capacidade de geração térmica do país. A capacidade total instalada atingirá 2,8 GW até 2024, com a entrada em operação de três novas usinas. Em 2019, foi a segunda maior operadora de gás natural do Brasil, com uma capacidade de produção de 8,4 milhões de m³ por dia. Em 2021, com o início das operações na Bacia do Amazonas, a capacidade de produção de gás natural atingirá 9,0 milhões de m³ por dia. Atualmente opera 10 campos de gás natural nas Bacias do Parnaíba e Amazonas e, adicionalmente, possui contratos de concessão para exploração e produção de hidrocarbonetos em mais de 50.000 km².