Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Thu Oct 21 22:41:54 UTC 2021 Thu Oct 21 22:41:54 UTC 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:15:12 30/09/2021 |CULTURA |SUDESTE

Ultima atualização: 16:02 30/09/2021

Beth Santos/Prefeitura do Rio
  • Localizada na Barra, novo endereço favorece descentralização da demanda turística da cidade do Rio de Janeiro
  • Crédito de R$ 4,6 milhões foi concedido na modalidade não reembolsável

 


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apoiou a implementação da museologia da nova sede do Museu do Pontal, localizada na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. O projeto será inaugurado em 2 de outubro. Foram feitos investimentos para a estruturação da exposição permanente, de temporárias do museu, e para a execução de atividades necessárias à realização de sua programação, além de ações de marketing, que possibilitarão a dinamização da nova sede em seu primeiro ano de funcionamento. 


A nova sede do museu, construída especialmente para abrigar a coleção de 9 mil obras, em terreno cedido pela Prefeitura, será um bem cultural da Zona Oeste, região de maior expressão urbana da cidade, que possui cerca de 1 milhão de habitantes, com alto potencial de demanda e pouca oferta de equipamentos culturais. Na antiga sede, localizada no bairro vizinho Recreio dos Bandeirantes, a Casa do Pontal corria sérios riscos de alagamentos durante épocas de chuvas fortes na cidade.


O apoio do BNDES ao museu de R$ 4,6 milhões foi concedido por meio do BNDES Fundo Cultural, na modalidade não reembolsável. Nesta modalidade, o crédito não precisa ser pago, desde que sejam cumpridas as finalidades do projeto e as regras estabelecidas no contrato. O valor representa 94% do investimento global para a montagem da nova exposição e manutenção das atividades no primeiro ano do Museu, que é de R$ 4,9 milhões.


A nova sede do Museu do Pontal, administrado pela Associação dos Amigos da Arte Popular Brasileira, terá exposição permanente, temporárias, eventos musicais, seminários, oficinas culturais nos finais de semana, visitas educativas teatralizadas e musicadas e visitas guiadas ao museu.


“A inauguração da nova sede do Museu do Pontal demonstra como a composição de fontes públicas e privadas pode fazer mais pelo patrimônio histórico brasileiro”, comenta o diretor de crédito produtivo e socioambiental, Bruno Aranha. “O acervo de grande relevância para a arte popular estará salvaguardado, permitindo a sua fruição e ativação do público com um programa de educação patrimonial relevante”, ressalta.


 “A instituição também abriga obras de outros importantes colecionadores que têm buscado na instituição espaço para deixar um legado. O apoio do BNDES, ao viabilizar a implementação de uma moderna reserva técnica, permite as melhores condições para garantir que as próximas gerações tenham acesso a esses importantes patrimônios brasileiros”, destaca o diretor executivo Lucas Van de Beuque. 


“As atuais instalações já geraram o interesse para novas relevantes doações, como a do colecionador Edmar Costa Pinto, que doou 8 obras de João Manoel da Silva, do Mato Grosso, que já fará parte das exposições de inauguração do Museu”, destaca a diretora e curadora Angela Mascelani.


O Museu do Pontal – Maior e mais significativo acervo de arte popular brasileira, o Casa do Pontal é o resultado material de quatro décadas de pesquisa e viagens do designer francês Jacques Van de Beuque (1922-2000), que começou a montagem do museu em 1976, em sua sede histórica, no Recreio dos Bandeirantes. Ao longo de 45 anos, organizou 600 exposições e recebeu três milhões de visitantes. Seu acervo possui o compromisso da preservação cultural e histórica da arte popular, sendo detentor de mais de 9.000 - de obras de 300 artistas oriundos de todas as regiões do Brasil. Em 1991, o acervo foi tombado como patrimônio histórico da cidade. 


Proponente - Instituída em 1999 pela família Van de Beuque, a Associação dos Amigos da Arte Popular Brasileira é uma entidade sem fins lucrativos e reconhecida como Organização Social de Interesse Público (OSCIP) tem como missão o trabalho de memória, valorização e reconhecimento da arte popular brasileira, realizando tais funções por meio de pesquisas, educação, divulgação e preservação, principalmente no que tange o Museu Casa do Pontal, onde também é a responsável pela gestão e captação de recursos para conservação do local e seu patrimônio.


BNDES Fundo Cultural – O BNDES concede apoio não reembolsável a projetos ligados à preservação do patrimônio histórico brasileiro que incentivem as atividades econômicas da cultura e do turismo. A descentralização e o aumento na oferta de bens culturais, a inserção social e a capacitação de mão de obra são outros objetivos do Fundo. Os projetos podem ser apresentados a qualquer tempo, e são apreciados quanto ao seu mérito e enquadramento regulamentar três vezes ao ano pelo Comitê de Patrimônio Cultural e Economia da Cultura.