Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

11:10 30 de June de 2022

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:10:00 10/12/2021 |ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA |INSTITUCIONAL |MEIO AMBIENTE |NORTE

Ultima atualização: 18:31 09/12/2021

Carlos Silva/MAPA
Ao centro, Montezano, Tereza Cristina e Geraldo Melo

• Projeto-piloto vai ampliar área regularizada de projetos de assentamentos em quatro estados da região

• Primeira etapa atenderá 15 mil famílias, em 1 milhão de hectares

Em uma parceria inédita com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai estruturar, financiar e captar recursos para um programa de regularização fundiária e ambiental na Amazônia Legal, além de financiá-lo com recursos próprios e captados no mercado.

O programa leva o nome de Projeto Integrado de Ordenamento Territorial (PIOT) e tem como foco o desenvolvimento socioambiental da região ao proporcionar maior governança e segurança jurídica para áreas não regularizadas. A ideia é unir as experiências de atuação das duas instituições na região amazônica e atuar em quatro pilares: regularização fundiária; regularização ambiental; levantamento de déficit de infraestrutura nas localidades; e a viabilização econômica do projeto de assentamento.

Em uma primeira etapa, deverão ser atendidas cerca de 15 mil famílias, abrangendo uma área de mais de 1 milhão de hectares, sendo mais da metade de vegetação nativa e outros 24 mil hectares a serem recuperados em reserva legal. Ainda constam outros 1.521 hectares de Áreas de Preservação Permanente (APP) que passarão por um processo de reflorestamento. Ao todo, 31,4 mil famílias devem ser beneficiadas ao final do programa.

O acordo de cooperação técnica (ACT) foi assinado na terça-feira, 7, pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina; o presidente do BNDES, Gustavo Montezano; e o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho. O trabalho de cooperação técnica entre as duas instituições vai, em um primeiro momento, definir o instrumento financeiro a ser utilizado entre as opções elencadas pelo Fundo Socioambiental do BNDES. Em especial, o modelo de matchfunding, quando, para cada real investido por um parceiro externo, o Banco aportará valor semelhante. Essa etapa deve ser concluída em 60 dias.

Em paralelo, as equipes vão a campo atualizar o levantamento da situação dos projetos de assentamentos escolhidos pelo Incra. A terceira etapa consiste no lançamento do edital, ainda no 1º semestre de 2022, para a contratação da empresa que vai fazer a gestão desses projetos com o Banco. A partir de julho, com a captação de recursos junto à iniciativa, inicia-se a execução do programa, cabendo aos próprios financiadores a escolha dos projetos.

Os trabalhos envolvem desde a emissão de títulos fundiários e serviços de regularização ambiental até o apoio a arranjos produtivos de promoção de emprego e renda em assentamentos da reforma agrária. "Vamos fazer a regularização fundiária tão combatida por aqueles que não entendem o que é a sua importância. Levando, para o pequeno produtor, não só a regularização fundiária, que é o começo de tudo, mas a regularização ambiental, com identificação de quem precisa de reserva legal, de mata ciliar, quem tem sobra para poder receber o pagamento por serviços ambientais. Vamos levar a infraestrutura tão necessária. Não adianta dar o título e a pessoa não ter condições de moradia, de energia elétrica, de água de boa qualidade, de educação. E tudo isso está sendo olhado neste projeto-piloto”, disse a ministra Tereza Cristina. 

“Também estamos falando da inclusão produtiva, que é colocar o projeto certo para aquela propriedade. Como a gente vai fazer para que o produtor maximize o ganho, que venda da maneira correta, que ele tenha a armazenagem adequada, a estrada para escoamento, ter uma agroindústria, se for o caso. Temos uma avenida a avançar para fazer chegar na ponta", completou. 

Todo o projeto faz parte da Frente de Ordenamento Territorial, um dos Eixos da Iniciativa Amazônia do BNDES. O banco é um dos principais agentes de execução da política de investimento na região, oferecendo, por exemplo, suporte financeiro a atividades socioambientais, por meio do Fundo Amazônia, além de captar recursos privados para viabilizar iniciativas do gênero.

“A ideia de usar a expertise do Banco junto ao Incra e seus projetos fundiários é parte do que foi planejado quando lançamos o Fundo Socioambiental em 2021 e tem total sintonia com o nosso propósito de ser um agente de fomento ao desenvolvimento sustentável da Região Amazônica. Essa é uma premissa fundamental para a preservação da floresta, e estou convencido de que o BNDES pode ser um agente catalizador dessa agenda”, discursou Montezano.

O presidente do Incra, Geraldo Melo Filho, destacou que o principal objetivo é resgatar a dignidade e capacidade de produção das famílias assentadas. "É muito difícil convencer alguém a praticar uma agricultura sustentável se a pessoa não estiver tendo renda e sustentabilidade para sua família. Esse projeto trata de unir a regularização fundiária com a regulamentação ambiental, mas também com o viés de dar a essas famílias as condições de produzir e sustentar a partir daquela terra", afirmou. 

PROJETO-PILOTO - O ACT tem previsão para durar dois anos, podendo ser prorrogado por mais 60 meses. As formas encontradas para desenvolver as comunidades assistidas, especialmente o aprimoramento de meios para agilizar as titulações, serão estendidas, posteriormente, a outros assentamentos da Amazônia Legal. A região engloba, ainda, Acre, Amazonas, Mato Grosso, Tocantins e parte do Maranhão.

FUNDO SOCIOAMBIENTAL - O BNDES Fundo Socioambiental foi criado em 2021, com o objetivo de apoiar investimentos de caráter social, nas áreas de geração de emprego e renda, saúde, educação, meio ambiente e/ou vinculadas ao desenvolvimento regional e social. 

Criado a partir de aprimoramentos do antigo Fundo Social, o BNDES Fundo Socioambiental dispõe de R$ 100 milhões em recursos não reembolsáveis e opera nas seguintes modalidades: Apoio Continuado, Seleção Pública e Fomento e Premiação. 

Quaisquer projetos de educação, geração de emprego e renda e meio ambiente que atendam às diretrizes e aos critérios técnicos definidos para cada tema estão habilitados ao fundo, sendo priorizados aqueles que proporcionem significativos benefícios para as populações de baixa renda.

SOBRE O INCRA - O Incra é a autarquia federal responsável pelas políticas de reforma agrária e do ordenamento fundiário nacional. Criado em 1970 pelo Decreto nº 1.110, o instituto está presente em todo o território nacional, por meio de 29 superintendências regionais e 49 unidades avançadas. Parcerias com estados e municípios também viabilizam a oferta dos serviços da autarquia.