BNDES - Agência de Notícias

22:51 31 de Março de 2020

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:18:26 13/11/2019 |INTERNACIONAL

Ultima atualização: 18:35 13/11/2019

Divulgação BNDES

Em cerimônia realizada nesta quarta-feira, 13, no Instituto Rio Branco, em Brasília, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, e o presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, sigla em inglês para New Development Bank), Kundapur Vaman Kamath, assinaram memorando de entendimento (MoU) para o desenvolvimento de projetos de interesse comum entre as duas instituições.

O memorando tem validade de cinco anos, podendo ser prorrogado por igual período e prevê: intercâmbio de conhecimento e compartilhamento de experiências relacionadas ao apoio a projetos de infraestrutura e iniciativas voltadas à promoção do desenvolvimento sustentável; busca por oportunidades para o desenvolvimento de mecanismos de apoio a investimentos em infraestrutura (tais como garantias, cofinanciamento e cooperações técnicas); análises sobre macroeconomia, indústria e outros campos de interesse mútuo; e treinamento e desenvolvimento de equipes, inclusive mediante intercâmbio de funcionários.

Montezano destacou haver grandes possibilidades de parceria entre o BNDES e o NDB, indicando que os desafios dos bancos de desenvolvimento de todo o bloco de países do Brics são similares. Segundo ele, o banco brasileiro está disponível a atuar junto com o NDB, oferecendo apoio e suporte.

“O sucesso de vocês no Brasil é o nosso sucesso. A nossa função aqui é abrir as portas do Brasil para quem cheguem aqui investidores com propósito e, obviamente, com retorno financeiro. Queremos ser esse facilitador”, disse Montezano ao presidente do NDB.

Para Kamath, o Brasil oferece grandes oportunidades de investimento, tanto novos quanto já desenvolvidos, e a parceria poderá potencializar essas alternativas para investidores de todos os países do Brics. Ele destacou, a aproximação do NDB com o Brasil a abertura de escritório local, em São Paulo, e a chegada da economista Claudia Prates, profissional de carreira do BNDES, atual diretora do NDB.

Também estiveram presentes na cerimônia, o ministro da Economia, Paulo Guedes; o secretário de Política Externa Comercial e Econômica, embaixador Norberto Moretti; a diretora-geral do Instituto Rio Branco, embaixadora Maria Stela Pompeu Brasil Frota; e o presidente da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), ministro Roberto Goidanich.

Histórico – Este é o segundo memorando de entendimento entre o BNDES e o NDB. O primeiro, firmado em 2015, abriu caminho para que os bancos estreitassem seu relacionamento e trabalhassem em iniciativas de interesse comum, incluindo parcerias para financiamento de projetos.

Em 2017, o BNDES e o NDB assinaram contrato no valor de US$ 300 milhões, para apoiar, com recursos do NDB, investimentos em geração de energia eólica, solar, hidrelétrica (pequenas centrais hidrelétricas) e a partir de biomassa (biogás e resíduos agrícolas). O repasse de US$ 300 milhões foi concluído em outubro de 2018, com a liberação de US$ 156 milhões pelo NDB ao BNDES. As duas parcelas anteriores foram liberadas em abril e junho de 2018, nos valores de, respectivamente, US$ 67,3 milhões e US$ 75,8 milhões. Os recursos foram utilizados para apoiar investimentos em geração de energia renovável no Brasil.

NDB – O NDB é um banco de desenvolvimento multilateral criado em 2014 durante a 6ª Cúpula Anual dos países-membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Seu objetivo é promover maior cooperação no financiamento e desenvolvimento de projetos nos cinco parceiros e em outros países em desenvolvimento, complementando as fontes de recursos multilaterais, regionais e nacionais, especialmente para investimentos em infraestrutura e desenvolvimento sustentável.