Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Sat Jun 12 14:46:11 UTC 2021 Sat Jun 12 14:46:11 UTC 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:14:20 04/06/2021 |INFRAESTRUTURA |MEIO AMBIENTE |NORDESTE

Ultima atualização: 11:19 08/06/2021

  • Capacidade gerada pelo parque equivale ao atendimento de cerca de 80 mil domicílios

  • Recursos do BNDES FINEM representam 80% do investimento total

  • Associação das duas fontes permite aproveitamento de uma mesma infraestrutura de transmissão

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 189,9 milhões para a implantação do primeiro parque híbrido de geração de energia elétrica, no Brasil, unindo duas fontes, a eólica e a solar. O projeto-piloto será implantado pela Sol do Piauí Geração de Energia Ltda, no município Curral Novo, com capacidade estimada de gerar energia suficiente para atender 80 mil domicílios, aproximadamente.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou recentemente a instalação da usina solar como projeto piloto, agregado ao parque eólico já existente. O investimento total para a realização do projeto é de R$ 237,4 milhões e o apoio do Banco, com recursos do BNDES Finem – Geração de Energia, representa 80% desse valor. Durante sua implantação serão gerados 323 empregos indiretos e sete diretos, sendo que estes últimos permanecerão quando a usina já estiver em operação.

A Sol do Piauí Geração de Energia Ltda. é controlada pela VTRM Energia e Participações S.A., uma joint venture entre a Votorantim Geração de Energia S.A e Canada Pension Plan Investment Board.

Produção - A produção da nova central geradora fotovoltaica (UFV) a ser instalada no já existente Parque no Complexo Eólico Ventos do Piauí I, será de 68 MW.  Ela irá se somar à geração de energia desse complexo eólico, que é de 205,8 MW e que está conectado ao SIN (Sistema Interligado Nacional) através da Subestação Curral Novo Piauí II.

Vanguarda – O termo “usina híbrida” é atribuído genericamente à combinação de duas ou mais fontes geradoras que se complementam para produção de energia elétrica de maneira mais confiável.

A implantação de UFVs em áreas onde já se encontram centrais eólicas em operação contribui para a otimização do sistema de transmissão. O modelo de parque associado reduz os efeitos da geração intermitente das fontes eólicas e solar quando operado separadamente. Além disso, a combinação de duas ou mais fontes energéticas - trabalhando em conjunto e utilizando as mesmas instalações de transmissão - pode resultar na redução do custo final da energia.

Na opinião de Carla Primavera, superintendente da Área de Energia do BNDES, este projeto-piloto representa mais um êxito na agenda de modernização do setor elétrico: “O BNDES, junto com a VTRM Energia, está construindo uma iniciativa de vanguarda, testando novos conceitos regulatórios e tecnológicos, inseridos na agenda de transição energética, por meio da otimização de recursos renováveis”, afirmou.

Para o presidente da Votorantim Energia, Fabio Zanfelice, esse projeto representa “a coragem da empresa em propor uma inovação técnica e regulatória com potencial para transformar o setor de energia do Brasil”.

O economista do BNDES, YieChen Yiu, destacou que o apoio ao projeto reitera o comprometimento do Banco com a inovação e incentivo ao pioneirismo. "A combinação de recursos de fontes distintas levou à necessidade de aprendizado e superação de desafios não existentes em projetos de fonte única". Para ele, foi fundamental acompanhar as discussões no setor do novo marco regulatório, bem como aprender sobre os benefícios e riscos da nova configuração. "Ao final, ficaram ainda mais evidentes os ganhos de competitividade com a complementariedade das fontes e a redução dos custos finais com a racionalização do investimento necessário e do custo de operação das estruturas compartilhadas de conexão e transmissão", completou.

Localização – O projeto-piloto apoiado pelo BNDES será implantado no município de Curral Novo do Piauí (PI), numa área de 230,49 hectares, ao lado do Complexo Eólico Ventos do Piauí I, nos quais se localizam as três centrais de geração eólica que compõem o complexo.

Sobre o BNDES – Fundado em 1952 e atualmente vinculado ao Ministério da Economia, o BNDES é o principal instrumento do Governo Federal para promover investimentos de longo prazo na economia brasileira. Suas ações têm foco no impacto socioambiental e econômico no Brasil. O Banco oferece condições especiais para micro, pequenas e médias empresas, além de linhas de investimentos sociais, direcionadas para educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e transporte urbano. Em situações de crise, o Banco atua de forma anticíclica e auxilia na formulação das soluções para a retomada do crescimento da economia.