Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Wed Jan 19 08:04:02 CET 2022 Wed Jan 19 08:04:02 CET 2022

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:16:40 21/01/2021 |INFRAESTRUTURA |SUDESTE

Ultima atualização: 19:01 21/01/2021

Linkedin/Eixo SP Concessionária de Rodovias
Apoio do BNDES (R$ 3 bi) equivale a 58% dos investimentos nos 7 primeiros anos

• São 1.224 km que cruzam 62 municípios do Estado de São Paulo

• Apoio financeiro inclui duplicação de pistas, pontes e viadutos, além da construção de serviços de atendimento e áreas de descanso 

• Serão quase oito mil empregos diretos e indiretos para as obras nos primeiros sete anos

A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um financiamento para a Eixo SP Concessionária de Rodovias S.A. realizar investimentos previstos para os sete primeiros anos da concessão do Lote Piracicaba-Panorama (PiPa), o maior lote rodoviário já concedido no País. São 1.224 quilômetros de rodovias que cruzam 62 municípios do Estado de São Paulo, entre a região de Piracicaba e o extremo oeste do estado, na divisa com  Mato Grosso do Sul. A rodovia foi leiloada há um ano pelo governo paulista.

O apoio do BNDES, no valor de R$ 3 bilhões, corresponde a 58% dos investimentos que PiPa realizará nos sete primeiros anos, cerca de R$ 5 bilhões. Esses recursos vão permitir a duplicação de pistas, construção e ampliação de pontes e viadutos, e implantação de terceiras e quartas faixas, vias marginais e ciclovias. Vão contemplar também a construção dos serviços de atendimento ao usuário (SAU), áreas de descanso para caminhoneiros, praças de pedágio, postos de fiscalização (PGF) e postos da Polícia Militar Rodoviária, além da instalação de sensores de tráfego, radares, lombadas eletrônicas e balanças.

“Ao longo dos 30 anos da concessão, serão investidos cerca de R$ 12 bilhões em obras e espera-se a criação de mais de seis mil empregos diretos e indiretos para a operação da rodovia, além de outros quase oito mil empregos diretos e indiretos para as obras dos primeiros sete anos”, explica Leonardo Pereira, superintendente da Área de Saneamento, Transporte e Logística do BNDES. Para Sérgio Santillan, CEO da Eixo SP, “o apoio do BNDES permite que um projeto desse porte seja viabilizado, trazendo enormes benefícios para as cidades vizinhas, para o Estado e para o País”.

O Lote PiPa é formado por dois sistemas rodoviários. O primeiro é oriundo da antiga Centrovias, trecho que compreende pouco mais de 200 km das rodovias SP-225 e SP-310 — anteriormente operado pela Arteris e transferido à Eixo SP em junho de 2020 —, que tem cobrança de pedágio desde 1998. O outro sistema é composto de trechos que totalizam cerca de 1.000 quilômetros, abrangendo as rodovias SP-191, SP-197, SP-261, SP-284, SP-293, SP-294, SP-304, SP-308, SP-331 e SP-425, que começarão a ser pedagiadas neste ano. O Estado de São Paulo realizou o leilão de concessão do Lote PiPa em janeiro de 2020. Em maio, foi assinado o contrato com a Eixo SP, que iniciou a operação em junho.

A concessionária — A Eixo SP é uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) constituída em janeiro do ano passado para a exploração de PiPa. Seu controle acionário pertence ao Pátria Infraestrutura IV Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia (Pátria – FIP IV), que detém 70% das ações de forma indireta. O restante das ações pertence ao NY Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia (FIP-NY).

O Pátria – FIP IV é um fundo administrado pelo Pátria Investimentos, gestor de fundos de investimento que tem atuação global e mais de 30 anos no mercado de gestão de ativos alternativos. O FIP-NY é controlado pelo GIC, fundo soberano do Governo de Singapura.