Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

18:57 11 de May de 2021

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:04 12/02/2021 |ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA |INFRAESTRUTURA |NORDESTE

Ultima atualização: 11:11 01/03/2021

Divulgação
Expansão dos serviços deve impactar 60% da população

• Novos leilões podem abranger até 88 municípios

• Cerca de 2,2 milhões de pessoas no interior do Estado devem ser beneficiadas

• Leilão da Grande Maceió atraiu sete empresas e teve ágio de mais de 13.000%

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) dará seguimento à estruturação de concessões em saneamento básico no Estado de Alagoas, que nesta segunda fase pode incluir até 88 municípios, com o objetivo de melhorar e ampliar os serviços prestados a cerca de 2,2 milhões de pessoas. Este é o segundo leilão no setor de saneamento que o Banco apoia o Governo do Estado. Em setembro 2020, houve a operação para a outorga da gestão de água e esgoto das 13 cidades que compõem da Grande Maceió – o bloco A, com investimentos previstos em infraestrutura na ordem de R$ 2,6 bilhões, em benefício a 1,5 milhão de alagoanos.

Neste projeto, a concessão de água e esgotamento sanitário está dividida em dois grupos: os blocos B e C. O primeiro abrange as regiões do sertão e parte do agreste do Estado, totalizando 48 municípios. O bloco C, por sua vez, engloba outros 40 municípios das regiões leste e também parte do agreste. A expansão dos serviços de saneamento ao interior do Estado deve impactar 60% da população de Alagoas. Como não se trata de uma Região Metropolitana, será necessário que os prefeitos dos municípios abrangidos façam a adesão aos projetos, por meio da celebração de convênio com o Estado. 

O primeiro leilão - Em 30 de setembro de 2020, sete empresas disputaram os serviços de distribuição de água e coleta de esgoto na grande Maceió.  Foi o primeiro leilão após entrada em vigor do novo marco legal do saneamento. O consórcio BRK Ambiental ofertou a maior outorga pela concessão (R$ 2,009 bilhões), com ágio de 13.180% em relação ao valor mínimo estipulado em edital (R$ 15,125 milhões).

Com a assinatura do Contrato, a empresa assumiu a responsabilidade por investimentos de R$ 2,6 bilhões em infraestrutura. A concessão na área metropolitana de Maceió tem como foco a universalização do serviço de água em seis anos e o acesso à rede de esgotamento para 90% das pessoas até o décimo sexto ano de contrato. O concessionário também deverá cumprir vários indicadores de desempenho de qualidade e eficiência na prestação dos serviços, além de reduzir as perdas de água para no máximo 25%. Antes da concessão, o índice de desperdício era de 59%.

A Companhia de Saneamento de Alagoas (CASAL) seguirá à frente da captação e do tratamento da água.Para os novos blocos, o Banco ainda construirá o modelo para definir metas de desempenhos, prazos e investimentos necessários a universalização dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário na região. Assim como nos outros contratos, o BNDES contará com auxílio de um consórcio de consultorias técnicas para preparar o modelo de concessão das áreas. Todo o modelo será amplamente discutido com a sociedade, por meio de audiência e consulta públicas.

BNDES e Saneamento – O acesso ao saneamento básico é vital para a saúde, a qualidade de vida e, sobretudo, para dignidade das pessoas. Por isso, este tema é um dos objetivos estratégicos do BNDES para o desenvolvimento brasileiro.  Até o final de 2021, o Banco pretende estruturar projetos para melhoria na prestação de serviços de água e esgoto em pelo menos nove estados brasileiros. Os investimentos previstos serão na ordem de R$ 50 bilhões, com benefício direto a mais de 30 milhões de brasileiros.  

O BNDES atua como uma fábrica de projetos e serviços, estruturando parcerias com o setor público, novos investidores e operadores qualificados, para desenvolver soluções privadas para problemas públicos. Além do leilão em Maceió, em outubro ocorreu a licitação para a implementação da Parceria Público-Privada (PPP) em Cariacica (ES); Caberá à Aegea Saneamento, em parceria com a Companhia Espírito-santense de Saneamento (CESAN), a responsabilidade pela ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário de Cariacica, além do tratamento de dejetos proveniente de bairros do município de Viana. No total, serão investidos R$ 580 milhões em infraestrutura de saneamento básico ao longo dos 30 anos de contrato (R$ 180 milhões nos primeiros cinco anos).