Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

21:16 20 de May de 2022

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:18:33 19/04/2022 |MEIO AMBIENTE

Ultima atualização: 16:08 20/04/2022

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, divulgaram que o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) será o parceiro gestor do programa Floresta Viva, uma matchfunding voltado para programas de restauração ecológica dos biomas brasileiros. O gestor será responsável pela organização do processo de seleção pública dos projetos a serem apoiados, além de receber os recursos do BNDES e das demais instituições apoiadoras e repassá-los para os projetos contemplados, acompanhar sua aplicação e monitorar os resultados. A primeira chamada de projetos está prevista para o segundo semestre deste ano.

O anúncio foi feito nesta terça-feira, 19/4. Também estiveram presentes na cerimônia os presidentes da Petrobras (José Mauro Coelho), e da Norte Energia (Paulo Roberto Ribeiro Pinto), a vice-presidente de Gente, Gestão e Sustentabilidade da Energisa (Daniele Salomão), a diretora de ESG da Eneva (Anita Baggio), o Diretor de Relações Institucionais da Minerva (João Sampaio) e o o head of Leaf da Phillip Morris (Ayane Porto Gitirana). De forma remota, participaram o gerente de Relações Governamentais da Heineken (João Marcelo de Castro), o presidente do conselho de administração da Coopercitrus (José Vicente da Silva) e  o diretor financeiro da Cedae (Gustavo Gazaneo). Todas estas empresas estão entre as 11 parceiras da iniciativa.

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, destacou a importância do engajamento da iniciativa privada para o sucesso do programa. “É este espírito que vai mudar o Brasil: o espírito de empresas focadas no impacto social e ambiental. O resultado financeiro vem como consequência disso”, declarou o executivo. “Tenho certeza de que a gente foi capaz de fazer isso por todo aprendizado do Banco ao longo de 30 anos, respeitando o passado da instituição, mas com a certeza de caminhar para o futuro. Tem que caminhar para frente, inovar”, concluiu.

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, também vê a iniciativa como uma oportunidade para geração de recursos para o país. “Esses recursos que serão aplicados no Floresta Viva que podem gerar crédito [de carbono] para deixar essa máquina rodando. E é importante entender como vamos criar negócios na floresta, como criar negócios reais. Esse é o desafio do início da nossa política. A política do governo federal está em empreender e inovar, em gerar emprego em economia verde e gerar negócios verdes”, afirmou o ministro.

O presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, ressaltou que a petroleira foi parceira de primeira hora do Floresta Viva e que a iniciativa está em linha com a política de responsabilidade social da empresa. “Temos uma preocupação muito grande com toda essa pauta ambiental, de sustentabilidade e social, entendendo que todas as empresas têm uma grande responsabilidade, mas a Petrobrás por ser hoje a maior companhia do Brasil, ser essa referência para o cidadão brasileiro, possui uma responsabilidade redobrada”, declarou.

Floresta Viva – Lançado em novembro de 2021, o matchfunding Floresta Viva é uma iniciativa voltada para a restauração ecológica de biomas brasileiros com foco na formação de corredores ecológicos e recuperação de bacias hidrográficas. A meta de investimento era de R$ 500 milhões ao longo de sete anos, com até 50% de recursos do Banco. O BNDES espera alcançar entre 16 mil e 33 mil hectares de área restaurada, com a remoção de aproximadamente 9 milhões de toneladas de carbono da atmosfera, considerando um ciclo de 25 anos de crescimento da floresta. Até março de 2022, os protocolos de intenção assinados pelas instituições com interesse em doar já ultrapassaram em R$ 100 milhões a meta inicial e agora já totalizam R$ 600 milhões.

Sobre o Funbio – FUNBIO é um mecanismo financeiro privado, sem fins lucrativos, que há mais de 25 anos apoia projetos de conservação da biodiversidade no país. Desde o início de suas atividades, em 1995, já administrou mais de USD 800 milhões e apoiou cerca de 366 projetos, beneficiando mais de 290 instituições e 430 áreas legalmente protegidas que, juntas, somam mais de 177 milhões de hectares.

Sobre o BNDES – Fundado em 1952 e atualmente vinculado ao Ministério da Economia, o BNDES é o principal instrumento do Governo Federal para promover investimentos de longo prazo na economia brasileira. Suas ações têm foco no impacto socioambiental e econômico no Brasil. O Banco oferece condições especiais para micro, pequenas e médias empresas, além de linhas de investimentos sociais direcionadas para educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e transporte urbano. Em situações de crise, o Banco atua de forma anticíclica e auxilia na formulação das soluções para a retomada do crescimento da economia.