BNDES - Agência de Notícias

00:32 21 de septiembre de 2020

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:17:50 15/09/2020 |ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Ultima atualização: 18:11 15/09/2020

Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, e ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, assinam acordo de Cooperação Técnica para o Programa Mais Luz para a Amazônia. (Foto: Bruno Spada/MME)

• Instituições assinaram o documento nesta terça-feira, 15
• Foco é o Programa Mais Luz para a Amazônia, do Governo Federal
• BNDES levantará recursos com fundos internacionais para a região


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério das Minas e Energia (MME) assinaram, nesta terça-feira (15), Acordo de Cooperação Técnica cujo foco é o Programa Mais Luz para a Amazônia, do Governo Federal. O programa tem o objetivo de atender cerca de 82 mil famílias que não possuem acesso à eletricidade em áreas remotas da Região Amazônica. Por meio do documento, as duas instituições se comprometem a elaborar estudos e levantar propostas de financiamento para captar recursos para o programa.


Um dos objetivos do acordo é permitir que o programa do Governo Federal possa obter recursos do Green Climate Fund (GCF), o Fundo do Clima Verde das Nações Unidas que financia projetos de redução do impacto e adaptação às mudanças climáticas. O BNDES foi qualificado em julho de 2019 como um de seus operadores. Para tanto, o Banco e o MME buscarão elaborar uma proposta detalhada sobre o Mais Luz para a Amazônia, incluindo seu orçamento e seus benefícios ambientais, o que é pré-requisito para acessar o mecanismo financeiro da ONU.


“Essa parceria com o BNDES será fundamental para que esse programa tenha nova perspectiva em termos de financiamento, sejam eles nacionais, sejam também de recursos vindos do exterior”, disse o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.


Uma vez que a perspectiva inicial do Ministério é prover o serviço por meio de sistemas fotovoltaicos locais (energia solar), pequenas usinas de biomassa e outras fontes de energia renovável, acredita-se que o programa seja atrativo para iniciativas voltadas a projetos de cunho ambiental e redutores da emissão de gases do efeito estufa. Estas são algumas das diretrizes do Green Climate Fund, entre outras instituições.


Gustavo Montezano, presidente do BNDES, afirmou ser preciso levar sustentabilidade à Amazônia em termos ambientais, sociais, energéticos e econômicos. “Trazer energia limpa para a Amazônia é fundamental para termos uma Amazônia como queremos: perene e saudável”, disse Montezano.


A estimativa inicial é que o Programa Mais Luz para a Amazônia demande investimentos da ordem de R$ 3 bilhões. Sua viabilização faz parte da missão do BNDES, entre as quais estão o desenvolvimento social e regional, a ampliação do uso de energias renováveis e a contribuição para vigência de uma economia de baixo carbono.


O evento de assinatura do acordo ocorreu na sede do ministério de Minas e Energia, em Brasília, e contou com a presença de Roberto Parucker, presidente da Eletronorte.