Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

05:16 29 de June de 2022

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:11:35 17/06/2022 |EDUCAÇÃO |INFRAESTRUTURA |NORDESTE

Ultima atualização: 14:26 17/06/2022

- Ação piloto levará coleta e tratamento de esgoto para escolas rurais no Maranhão

Em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Grupo Tigre, por intermédio da Tigre Água e Efluentes (TAE), o ICRH (Instituto Carlos Roberto Hansen) e o Instituto Iguá celebraram acordo de cooperação técnica para implementar sistemas de coleta e tratamento de esgoto em escolas públicas da zona rural dos municípios de Itapecuru Mirim e Arari, no Maranhão. A primeira ação dessa parceria atenderá, em caráter piloto, até dez escolas rurais, beneficiadas também pela Iniciativa Água nas Escolas, realizada no âmbito do Programa Cisternas, do Governo Federal.

Em 2021, a Diretoria do BNDES aprovou apoio financeiro de R$ 20 milhões para a Iniciativa Água nas Escolas, que dará acesso à água a mais de 2.100 escolas do semiárido. Em parceria com a Fundação Banco do Brasil, que doará outros R$ 20 milhões, a iniciativa deve contribuir para o aumento da frequência escolar e para a qualidade da alimentação das crianças, bem como colaborar para a redução da incidência de doenças e do tempo despendido na busca por água.

“Nesta ação, o BNDES se integra a uma política pública com efeito sobre educação e saúde, e ao mesmo tempo atua como articulador entre entes públicos e parceiros privados, de forma a complementar o impacto da iniciativa. Estamos abertos a parcerias com empresas para melhorar a infraestrutura de escolas públicas do semiárido.” diz Bruno Aranha, Diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do BNDES.

De forma coordenada com as ações da Iniciativa Água nas Escolas, o Grupo Tigre doará equipamentos, desenvolvidos pela TAE, que fazem coleta e tratamento local de efluentes baseados em tecnologia biológica aeróbia de lodos ativados. Com capacidade de tratamento de até 800 litros/dia, esses equipamentos apresentam baixo consumo energético (15 Wh/usuário), e contam com todas as etapas do processo integradas, garantindo facilidade na instalação e baixa exigência de manutenção e sem oferecer odor. “O produto garante alta eficiência no tratamento e promete ser uma solução viável para populações e áreas onde a rede de coleta não consegue chegar atualmente”, esclarece Ewerton Garcia, diretor responsável pela unidade de negócios da Tigre.

O Instituto Iguá é o responsável pela contratação da organização social que fará a instalação dos equipamentos nas escolas selecionadas, trabalhando o engajamento comunitário e a educação ambiental de alunos e professores. O parceiro técnico do Instituto será o CPDC (Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento), organização não-governamental que há mais de trinta anos atua nas áreas de educação popular e desenvolvimento comunitário sustentável.

“O Programa é um exemplo de política pública eficaz e, em complemento a isso, pretendemos levar alternativas de coleta e tratamento de esgoto descentralizadas, promovendo uma melhoria de vida para muitos alunos e professores. A instalação será feita com o apoio de organização social selecionada, contando com o envolvimento e a participação de toda a comunidade escolar. Esse engajamento é fator crítico para o sucesso da iniciativa, já que os beneficiários precisam entender o processo e participar ativamente de sua gestão pós-implantação”, reforça Renata Ruggiero Moraes, Presidente do Instituto Iguá, organização da sociedade civil, que tem como missão contribuir para a universalização do saneamento no Brasil, por meio da inovação e da educação para o desenvolvimento sustentável.

Além de auxiliar essas escolas e, consequentemente as duas cidades maranhenses, de acordo com Renata, o projeto tende a se tornar exemplo, com a apresentação dos resultados positivos no desempenho das escolas e das crianças beneficiadas. A expectativa é de que a experiência gere conhecimento que possa ser aproveitado em políticas públicas.