BNDES - Agência de Notícias

Sat Dec 07 11:20:49 UTC 2019 Sat Dec 07 11:20:49 UTC 2019

Por: Agência BNDES de Notícias

Publicação:16:54 14/11/2019 |INSTITUCIONAL

Ultima atualização: 17:57 18/11/2019

 

  • Explicações sobre questões polêmicas e 10 ações de transparência e compliance estão disponíveis no hotsite: aberto.bndes.gov.br

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou nesta quinta-feira, 14, uma campanha digital, nas redes sociais e por meio de um hotsite (aberto.bndes.gov.br), com informações sobre todas as suas operações, de forma transparente e acessível. Por meio do hotsite, dúvidas poderão ser esclarecidas e perguntas serão respondidas.

“Não é simplesmente uma ação, mas uma mudança de cultura do Banco. É um reposicionamento da forma do BNDES se comunicar e o lançamento da campanha marca este estágio permanente, do BNDES mais comunicativo nas mídias sociais e respondendo a pontos polêmicos de forma bem simples para o cidadão comum poder entender”, explicou o presidente Gustavo Montezano, em entrevista coletiva de imprensa, na sede da instituição, no Rio.

Segundo ele, o conceito é de um BNDES mais aberto, que ouve mais, fala mais, interage mais e circula mais, totalmente vinculado à nova economia: “Somos a favor do debate. Para mostrar que o Banco não tem nada a esconder, pelo contrário, tem todo o prazer em esclarecer”, frisou.

aberto


Juntamente com a campanha BNDES Aberto foram lançadas dez ações que melhoram a transparência do Banco e aprimoram seu compliance:

  • Acordo com a Procuradoria Geral da República (PGR) prevendo o compartilhamento de informações de pessoas físicas e jurídicas que mantêm relacionamento com o Banco;
  • Adoção de rotinas automáticas para viabilizar o cruzamento de informações de outros órgãos públicos, agilizando também o processo de análise dos clientes;
  • Criação de diretoria de Compliance;
  • Implantação de Corregedoria interna, em alinhamento com as melhores práticas de mercado e com orientações da Controladoria-Geral da União (CGU);
  • Contratação de auditoria forense externa visando ao fortalecimento da cooperação com órgãos de controle;
  • Lançamento de hotsite e nova ferramenta de busca facilitada sobre dados de operações do BNDES;
  • Publicação de plataforma relacionando os desembolsos do Banco aos sete Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) considerados prioritários (saúde e bem-estar; educação de qualidade; água potável e saneamento; energia limpa e acessível; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; e vida terrestre);
  • Adesão à Política Nacional de Dados Abertos, que prevê a disponibilização de informações de suas bases de dados para a livre utilização pela sociedade;
  • Compartilhamento de empregados com outras instituições de governo;
  • Reposicionamento da carteira de mercado de capitais.

 

aberto10acoes


“Somos a favor do debate. Para mostrar que o Banco não tem nada a esconder, pelo contrário, tem todo o prazer em esclarecer” (Gustavo Montezano)

Durante a coletiva, da qual também participou a diretora financeira do Banco, Bianca Nasser, Montezano apresentou o resultado financeio do 3º tri/19 e a evolução de outras quatro metas estabelecidas para o BNDES, desde a sua posse, em julho desse ano:

Reposicionamento da carteira acionária – Recentemente, o BNDES atualizou sua Política de Atuação em Mercado de Capitais, que aproxima a instituição das melhores práticas de mercado. Nela, estão estabelecidas as principais técnicas utilizadas pelo Banco para a valoração de ativos, que deverão ser aplicadas de forma combinada em operações associadas a participações com valor estimado em mais de R$ 1 bilhão. Esses desinvestimentos em companhias com participações mais elevadas também deverão ser submetidos ao Conselho de Administração. Outra iniciativa relacionada à atuação do BNDES em mercado de capitais é a alteração no limite do indicador VAR (Value at Risk), que tem como finalidade alinhar a exposição ao risco de sua carteira de ações aos padrões praticados pelo mercado.

Devoluções ao Tesouro – O BNDES cumpriu a meta de adiantamento de recursos ao Tesouro, atingindo o volume de R$ 100 bilhões antecipados no ano, até hoje. O valor deve chegar a R$ 123 bilhões neste ano – frente aos R$ 26 bilhões estabelecidos contratualmente antes do início das antecipações. Com o pagamento antecipado, tanto o serviço de amortização quanto o de juros foram reduzidos em cerca de R$ 3 bilhões. Além disso, o BNDES pagará R$ 9 bilhões ao Governo Federal a título de adiantamento de dividendos. Assim, os recursos pagos ao Tesouro chegarão a R$ 132 bilhões em 2019.

Banco de serviços – A atual gestão está reposicionando o BNDES de forma a reforçar sua atuação como um banco a serviço do Estado brasileiro, apoiando-o com ideias, ferramentas financeiras, modelagem e articulação com ministérios, Estados e municípios. Nesse modelo, a instituição trabalha junto às administrações públicas para estruturar projetos que beneficiem diretamente a população, como saneamento básico, segurança e iluminação pública.

Para tanto, foram reforçadas as áreas dedicadas ao relacionamento com os governos, às parcerias de investimento e à estruturação de empresas e desinvestimento. Em julho, o BNDES atuava na privatização de sete estatais e detinha uma carteira de 31 projetos, com investimentos estimados em R$ 83 bilhões. Hoje, o Banco assessora a privatização de 20 estatais, além de trabalhar na estruturação de 60 projetos de concessões e parcerias público-privadas (PPPs), cujo investimento total é estimado em R$ 191 bilhões. Esses projetos devem ser lançados no mercado nos próximos três anos.

O BNDES poderá apoiar com crédito essas iniciativas. A sua contribuição inovadora se dará por meio da experiência na montagem das estruturas financeiras. Essa ação consiste, por exemplo, em detalhar fontes de recursos, atrelar liberações de financiamento a entregas de etapas específicas e utilizar seu conhecimento na avaliação de risco. Isso vai dar mais segurança para investidores e financiadores, contribuindo para atrair recursos necessários para viabilizar os projetos.

Plano trienal – O BNDES definiu uma nova metodologia de seu planejamento estratégico. Anteriormente, o planejamento era formulado a partir de horizontes de um ou cinco anos, com metas estabelecidas em termos de volume desembolsado. O novo planejamento estabelecerá metas de três anos focadas nas entregas para a sociedade, como, por exemplo, ampliação da capacidade de geração de energia e aumento do acesso a serviços de esgotamento sanitário. As metas também estarão associadas aos ODSs. O plano trienal será concluído ainda neste ano.


Fotos: BNDES registra lucro líquido de R$ 16,51 bi entre janeiro e  setembro de 2019 (14/11/2019)

Gustavo Montezano e a diretora financeira do BNDES, Bianca Nasser, durante entrevista coletiva