Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

20:40 20 de May de 2022

Blog do Desenvolvimento

15:00 02/07/2021

Indústria |
Saneamento |
Concessão |
Infraestrutura |

Oportunidade para a cadeia de fornecedores em saneamento

 

A reforma do marco legal do saneamento, com a promulgação da Lei 14.026/2020, estabelece diretrizes para a reorganização do setor de forma a promover a universalização dos serviços públicos de fornecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto, bem como a elevação da qualidade e eficiência dos serviços prestados. Nesse sentido, o novo marco exige a adoção de metas de universalização que garantam o atendimento de 99% da população com água potável e de 90% da população com coleta e tratamento de esgoto até 31 de dezembro de 2033, assim como metas quantitativas de não intermitência do abastecimento, de redução de perdas e de melhoria dos processos de tratamento.

 

Os investimentos para alcançar essas metas são expressivos e exigem a combinação de diferentes fontes de financiamento – saiba mais aqui. O BNDES vem atuando por meio da estruturação de projetos no setor para impulsionar esses investimentos

  

Impacto dos investimentos para a cadeia de fornecedores

 

A realização desses investimentos, por sua vez, representa um crescimento igualmente expressivo da demanda para as indústrias de materiais e equipamentos aplicados aos sistemas de tratamento e às redes de água e esgoto. A elevação dos investimentos em saneamento traz, portanto, oportunidades e desafios para a cadeia de fornecedores quanto à oferta adequada dos insumos e bens necessários ao alcance das metas.

 

Entre os segmentos industriais demandados, destacam-se os fornecedores de tubulações, de químicos para tratamento de água e esgoto, e de equipamentos. De acordo com estudo da Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon), que estimou a necessidade de investimentos para a universalização do saneamento no Brasil, a demanda por tubulações corresponde a 20% dos investimentos.

 

Considerando a relevância dos investimentos para a cadeia de fornecedores, o BNDES trabalha na elaboração de estudo sobre os segmentos mais impactados em termos de crescimento de demanda, incluindo diagnóstico de sua capacidade produtiva.

 

O trabalho se baseia em informações detalhadas dos investimentos estimados para cinco projetos, estruturados no BNDES, já licitados ou em estágio avançado de licitação. São projetos de concessão de serviços de água e esgoto em Cariacica (ES), Alagoas, Rio de Janeiro, Amapá e Porto Alegre (RS), que somam investimentos estimados de R$ 38 bilhões. A análise também utiliza informações coletadas diretamente com agentes do setor, abrangendo associações e empresas fornecedoras de tubulações, químicos para tratamento e equipamentos, além de concessionárias de serviços de saneamento e empresas de engenharia.

 

Demanda para a indústria é discutida na Semana BNDES de Saneamento

 

Uma visão prévia dos resultados desse estudo foi apresentada durante a 4ª Semana BNDES de Saneamento, aprofundando o conhecimento do mercado acerca dos tipos e volumes de tubulações (diâmetros e materiais), dos produtos químicos e dos equipamentos necessários para os investimentos em saneamento a serem realizados nos próximos anos. Ao abordar a capacidade atual de oferta dos diferentes segmentos industriais, foi possível vislumbrar quais seriam as principais oportunidades de expansão para as indústrias.

 

Segundo Luana Pretto, diretora de Relações Institucionais e Governamentais da Associação Brasileira dos Fabricantes de Materiais para Saneamento (Asfamas), “a mudança da realidade do saneamento no Brasil com o cumprimento das metas estabelecidas no marco legal exige preparo de toda a cadeia envolvida. Para a universalização se faz necessária, por exemplo, a implantação de 500 mil km de rede, um investimento de aproximadamente 100 bilhões de reais. Estamos diante do futuro do saneamento e as empresas estão alinhadas e dispostas a colaborar. O setor de materiais para saneamento está preparado para esta demanda e acredita no benefício direto que estes investimentos trazem para cada brasileiro”.

 

Para a gerente no Departamento de Indústrias de Base do BNDES, Sabrina Martinez, “as discussões sobre a demanda e a oferta da indústria permitem uma maior previsibilidade, impulsionando a tomada de decisão dos agentes no sentido de capturar as oportunidades de expansão na cadeia de fornecedores e ampliar o impacto socioeconômico dos investimentos em infraestrutura. ”

 

Veja os slides da apresentação e cadastre-se em nossa newsletter para ser avisado da publicação do estudo.

  

Conteúdos relacionados

 

Como financiar os investimentos para a universalização do saneamento no Brasil?

 

A regulação do saneamento em artigo de Jerson Kelman

 

Saneamento: e-book reúne estudos do BNDES sobre o tema

 

Claudio Frischtak escreve sobre saneamento

 

Novo marco legal do saneamento e atuação do BNDES

 

Saneamento: infográficos mostram importância do tema para o desenvolvimento

 

Saneamento como direito e fator de desenvolvimento

 

 

*campo obrigatório