Aviso: Utilizamos dados pessoais, cookies e tecnologias semelhantes de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BNDES - Agência de Notícias

Wed Jan 19 21:23:30 CET 2022 Wed Jan 19 21:23:30 CET 2022

Blog do Desenvolvimento

05:00 08/02/2021

Bancos |
Inovação |
MPME |
Finanças |

Open Banking: um ecossistema financeiro mais integrado

O Open Banking – que pode ser traduzido como Sistema Financeiro Aberto – é uma iniciativa de compartilhamento padronizado de dados e serviços por meio de integração de sistemas. Isso significa que, com ele, as instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil (BCB) passam a compartilhar dados sobre produtos e informações financeiras de seus clientes, utilizando APIs (application programming interfaces) para integrar suas plataformas tecnológicas e bases de dados.  

Partindo da premissa de que o cliente é dono de seus dados, o Open Banking abre a possibilidade de que, com o seu consentimento, os dados coletados por uma instituição financeira possam ser acessados por outras instituições. Essa mudança implica no surgimento de um novo ecossistema financeiro, que integra consumidores, pessoas físicas e jurídicas, desenvolvedores, instituições financeiras tradicionais, novos players, e, inclusive, empresas não regulamentadas pelo Banco Central por meio de parcerias.

 

A implementação do Open Banking no Brasil

 

A abertura do sistema financeiro é uma agenda que vem avançando em diversos países. Ela teve início de forma mais acelerada no Reino Unido, em 2018, com a constatação de que era preciso ampliar a concorrência nos serviços financeiros disponíveis para pessoas físicas e pequenas e médias empresas (PMEs). 

No caso do Brasil, em paralelo ao fluxo crescente de dados digitais, o Open Banking impõe desafios culturais e tecnológicos para todo o segmento financeiro. A iniciativa chega ao país no âmbito de uma série de reformas da chamada Agenda BC#, que tem como principal objetivo orientar as políticas do BCB para a democratização financeira.

Essa agenda está organizada em cinco pilares: inclusão, competitividade, transparência, sustentabilidade e educação financeira. O Open Banking, nesse contexto, teve seu cronograma de implementação previsto em quatro fases, que ampliam gradualmente o nível de compartilhamento de dados.

fotopost

 

Fonte: Elaboração própria a partir da Resolução Conjunta  2, de 27.11.2020.

 

A participação no Open Banking, para compartilhamento de dados, pela regulação brasileira, é obrigatória para instituições financeiras que se enquadram nos Segmentos 1 (S1) e 2 (S2), ou seja, que apresentam porte superior a 1% do PIB brasileiro, o que inclui o BNDES.

Embora para as demais instituições autorizadas pelo BCB essa participação seja facultativa, a opção pelo Open Banking está baseada no princípio da reciprocidade. Isto é, quem deseja ter acesso às informações compartilhadas precisa, em contrapartida, disponibilizar interfaces para compartilhamento de seus dados.

Com o avanço do Open Banking no país, espera-se mais agilidade na entrega de produtos e serviços financeiros aos consumidores, além de aumento da conveniência e da segurança. O surgimento de modelos de negócio mais centrados na figura do cliente, favorecidos por esse processo, deve ampliar também o controle a vida financeira e o acesso a produtos personalizados e a condições financeiras mais vantajosas.

 

Open Banking na perspectiva do BNDES

 

No caso do BNDES, a introdução do Open Banking abre novas possibilidades. As informações obtidas por meio da iniciativa podem auxiliar o Banco a direcionar seus instrumentos financeiros e não financeiros de forma mais assertiva, bem como melhorar e agilizar os processos de concessão de crédito. Permitem, além disso, que o BNDES aperfeiçoe seu modelo de análise de risco de crédito, acelerando etapas de seu processo de classificação de risco. Assim, a iniciativa poderá reduzir, por exemplo, a quantidade de informações e documentos solicitados aos clientes.

A participação do Banco na construção do Open Banking brasileiro, em conjunto com outras instituições financeiras, pode facilitar ainda a identificação de lacunas de crédito e ajudar na própria expansão do mercado de crédito, favorecendo, especialmente o acesso de micro, pequenas e médias empresas.

Para além da atuação do Banco, a abertura de dados via Open Banking estimula a interlocução com outros atores públicos e privados e a construção de parcerias em prol do desenvolvimento e da inclusão das milhões de pessoas que hoje não têm acesso ao sistema financeiro brasileiro.

 

Conteúdos relacionados

 

Estudo apresenta efeitos do crédito indireto do BNDES para MPMEs

 

FIDC como instrumento de ampliação do acesso a crédito

 

O papel do funding público (e do BNDES) na economia hoje

 

*campo obrigatório